Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura e política.

PUBLICIDADE

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

PONTE BINACIONAL: Primeiros testes de trânsito são realizados na fronteira

OBRA DE ARTE | Especialistas chamam assim a construção em concreto que mudou a paisagem urbana da cidade de Oiapoque, bem na divisa entre o Brasil e a Guiana Francesa e que em breve poderá incrementar o turismo regional.
Por Cleber Barbosa
Editor de Turismo

A título de fazer simulações de funcionamento da Ponte Binacional, que liga Oiapoque à Guiana Francesa, autoridades brasileiras e francesas puderam durante a semana abrir parcialmente o trânsito de veículos sobre a ponte, que embora esteja pronta a mais de quatro anos, jamais teve a circulação oficialmente liberada. No local cinco carros do lado brasileiro e cinco carros do lado francês foram selecionados para realizar situações diferentes. O governador do Amapá, Waldez Góes, participou do evento acompanhado de uma comitiva de governo e de órgãos federais brasileiros que também atuaram no simulado.

O primeiro momento ocorreu na aduaneira francesa, onde órgãos de fiscalização federal de ambos os países e os representantes dos governos participaram de uma reunião de nivelamento de como ocorreria a parte prática. Tudo acertado e todos os agentes posicionados, então iniciou o exercício. Um carro partiu da Guiana e foi parado no posto de fiscalização. Os documentos foram verificados no sistema e o veículo vistoriado. Como estava tudo dentro da legalidade, pôde seguir viagem rumo ao município de Oiapoque.

No lado brasileiro, o parque aduaneiro ainda não está finalizado, mas não foi impedimento para atuação no evento. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) montou uma barreira para mostrar como os órgãos brasileiros atuarão nas fiscalizações.

Esse foi o cenário da ponte até as 16 horas. A cada 10 minutos, um carro passava para testar situações como falta de documento, mercadorias sem declaração e outras hipóteses que poderão ocorrer quando a ponte estiver liberada para tráfego.

Para o chefe do Executivo, a simulação é uma etapa necessária para que os órgãos desempenhem os papéis e garantam a segurança e direito das populações brasileira e francesa. “Com essa simulação percebemos que tanto os órgãos brasileiros quanto os franceses estão preparados para atuar. Precisamos avançar em alguns pontos, como a finalização do parque aduaneiro, mas não é nada que o Brasil não possa cumprir”, explicou Góes.

O governador destacou ainda que essa simulação é resultado das tratativas na Comissão Mista Transfronteiriça. “Fico feliz, pois todas as tratativas que fizemos dentro da CMT estão sendo cumpridas”, afirmou.

* Colaborou: Anne Santos/Secom/GEA


Autoridades também simulam emergências
O prefeito da Guiana, Martin Jaeger, avaliou positivamente a atividade. “Tudo que foi planejado está sendo executado e foi possível observarmos a segurança dos postos. Alguns pontos continuaremos tratando na Comissão Mistra Transfronteiriça, a chamada CMT”, disse o dirigente francês.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Polícia Rodoviária Federal, Receita Federal, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e Justiça Federal também participaram do evento. Outros simulados serão realizados até a abertura provisória da ponte, sem data definida, pois depende da finalização das obras realizadas pelo governo federal no parque aduaneiro do lado brasileiro.

Na quinta-feira (19), o Corpo de Bombeiros Militar do Amapá (CBM-AP) também fez um simulado de emergência na ponte para alinhar os protocolos de atendimento no caso de um acidente na ponte.

Empreendedores da fronteira poderão acessar crédito para alternativas
Empreendedores que possuem negócios na região da fronteira Oiapoque e Guiana Francesa serão acompanhados por uma equipe do Governo do Estado do Amapá. O objetivo é apresentar alternativas para as atuais e possíveis novas atividades econômicas, com a abertura da Ponte Binacional que liga o município à Guiana Francesa. A equipe é composta pela Agência de Fomentos do Amapá (Afap) e as Secretarias de Estado da Inclusão e Mobilização Social (Sims), da Infraestrutura (Seinf) e de Transportes (Setrap).  No início desta semana, o governador Waldez Góes esteve no município de Oiapoque para participar da simulação de abertura da Ponte Binacional.

Durante a visita, o chefe do Executivo reuniu com os catraieiros, taxistas e mototaxistas para, juntos, avaliarem as possibilidades, como linhas de crédito da Afap, para atender as categorias. “Estou colocando uma equipe à disposição desses profissionais para, juntos, trabalharmos as soluções. São várias possibilidades para benefício desses trabalhadores”, informou Góes. 

Para um dos representantes dos catraieiros, José Ribamar Brito, a iniciativa passa segurança para a categoria que poderá contar com o apoio do governo. “Estão nos ouvindo, conversando e apresentando soluções”, afirmou.

A notícia da oferta de linhas de crédito também foi aceita pelas categorias. “Com a abertura da ponte a nossa economia vai melhorar e teremos mais clientes. Com a linha de crédito poderemos investir no nosso negócio e até mesmo adquirir novas motos, gerando mais empregos no município”, disse o mototaxista Francisco Morais.

CURIOSIDADES
- Durante o período colonial, Oiapoque era parte da Capitania do Cabo Norte. Nos primórdios do século XVI, os portugueses da América travam lutas com outros europeus, para estabelecer domínio territorial ao sul do rio Oiapoque - na época conhecido como rio de Vicente Pinzón - e ao norte do rio Amazonas, para expandir os impérios colonizadores que cada grupo representava. 

1945
O município foi criado em 23 de maio de 1945, através da lei 7578.

EXTREMO NORTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!