Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura e política.

PUBLICIDADE

terça-feira, 5 de abril de 2011

Notas da Coluna Argumentos

Reforma já

O presidente do Senado Federal, senador José Sarney (PMDB-AP), pediu mais agilidade no processo de reforma da casa. E novo procedimento foi decidido na reunião de hoje da Comissão de Reforma Administrativa do Senado. Haverá três reuniões semanais e aprovação rápida dos pontos de consenso.

Irresponsabilidade

Agora não são apenas os carteiros as vítimas de cães ferozes na cidade. Um gari de Macapá quase morre ontem depois de ser atacado por um cão da raça pit-bull. O rapaz teve os lábios arrancados e várias escoriações pelo corpo. O dono do animal até se apresentou para prestar apoio, mas o caso será apurado pela polícia.

Boa bronca

Enquanto tem muita gente sonhando com o dia em que o asfalto baterá à sua porta, outras pessoas que já moram em ruas pavimentadas reclamam da empresa que executa obras do PAC em Macapá por quebrar a rua e depois não recompor as enormes placas de asfalto destruído pelas escavadeiras. Eis uma boa pergunta essa: quem paga o dano?

Não pára

O senador Gilvam Borges (PMDB-AP) apesar da licença médica que tirou não larga o telefone e sem a secretária particular. De ministros de estado a lideranças comunitárias ele atende a todo mundo. E ainda arruma tempo para orientar os mestres de obra que cuidam da reforma e ampliação da TV Tucuju, que se transforma do “QG” do seu grupo político.

Simplicidade

Bem ao seu estilo (que é o mesmo do padrinho), o advogado Sebastião Magalhães, que é secretário estadual da Administração, foi visto dia desses sem pompa e circunstância abrindo pessoalmente e depois trancando o portão da garagem do prédio da Sead, após guardar o carro. Seria interino, mas foi ficando e ficou, enquanto o líder Papaléo Paes não se decide.

Especulação


Mais um caso de invasão suscita o debate sobre o estado de carência ou não de quem invade. No meio é claro que há gente pobre e sem-teto. Mas nessa invasão, às margens da Rodovia Duca Serra chama a atenção a quantidade de carros em frente aos barracos. E muito material de construção também. Informações extra-oficias dão conta de que as terras seriam o ex-governador Pedro Paulo Dias. Só um juiz pode determinar a reintegração.

Em Brasília

O juiz federal João Bosco Costa Soares segue sua trajetória de audiência “extra-gabinete”. Ontem ele esteve com o presidente do Senado Federal, José Sarney (PMDB-AP), acompanhado da deputada federal Fátima Pelaes (PMDB-AP). Na pauta, projetos para as áreas de saneamento básico e habitação. Ele argumentou que é urgente a necessidade de se fornecer água tratada para Macapá e Santana.


Terras já

O coordenador do Programa Terra Legal do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Luiz Henrique, esteve reunido com a deputada federal Dalva Figueiredo (PT-AP) no final de semana. Na pauta a necessidade de 15 mil famílias do Amapá agyuardarem a regularização fundiária. Dalva defende que as políticas públicas do setor ocorram de forma integrada e sugeriu a formação de um grupo de trabalho para acelerar todo esse processo.

Mais ação

A Secretaria Estadual do Turismo (Setur) envia texto para as redações enumerando problemas como falta de manutenção de alguns pontos turísticos do estado, entre eles o Trapiche Eliezer Levy e o Curiaú. Até um “city-tour” foi marcado para levar hoje às 9 horas a imprensa local para ver os estragos. Sei não, mas seria melhor arregaçar as mangas e arrumar a casa. Essas filmagens deixa para quando a próxima campanha eleitoral chegar.

Desaquecimento

Ainda sobre o setor de turismo, a mesma estratégia “caça às bruxas” foi usada durante a reunião do Fórum Estadual do Turismo, semana passada. Empresários que estiveram lá também reclamaram e ontem, lideranças da Associação da Indústria Hoteleira no Amapá (IBIH-AP), lamentaram a falta de incentivos para o setor que, desaquecido, já teria levado três hotéis a fechar as portas.

Sermão da
Montanha


Visando o evangelismo em massa, a Igreja do Evangelho Quadrangular de Macapá realizará no dia 22 de abril, a chamada “Sexta-feira da Paixão”, na Praça do Barão, a partir das 19 horas, que chegará a Quarta Edição do Sermão da Montanha, uma alusão a uma das mais marcantes histórias bíblicas. No ano passado, o evento reuniu mais de 10 mil pessoas.


Faltou
o crédito


O soldado da PM Elvis Douglas já está até sendo reconhecido na rua como um verdadeiro herói de carne e osso. Sabe-se que ele também é evangélico e em sua igreja o rapaz também é motivo de orgulho, afinal a história contata por ele é o que se costuma chamar de “testemunho” do poder da fé em Deus. A propósito, por uma lamentável falha a coluna ontem não deu o crédito da foto do militar, que foi extraída do sítio mtjornalista.blogspot.com.

sábado, 2 de abril de 2011

Macapá comemora Dia Mundial do Jipe

O Jeep Clube de Macapá promove no próximo domingo um almoço solidário em prol da Casa do Pão de Santo Antônio, uma entidade filantrópica coordenada pelos frades Capuchinhos. O evento faz parte das programações pela passagem do Dia Mundial do Jipe, que é comemorado no dia 4 de abril, mas que será antecipado para o final de semana. Na praça Beira-Rio, haverá uma exposição de jipes, inclusive com a montagem de um estande do Exército, que deslocará jipes militares para visitações.
Segundo o presidente de honra do Jeep Clube, o empresário Manoel Mandi, existe no calendário de eventos dos clubes de jipeiros o curioso dia 4/4, ou seja, quatro de abril, uma alusão direta ao fato dos carrinhos terem tração 4x4. “A idéia é reverenciar este veículo tão importante na vida das pessoas, seja para trabalho, lazer ou mesmo do ponto de vista estratégico, afinal foi com seu emprego militar que ele ficou mais conhecido pelo mundo”, argumenta Mandi.
A programação foi anunciada ontem (30) durante reunião ordinária dos associados do Jeep Clube e consiste em uma ação social e também no encontro dos jipeiros. Ao meio-dia de domingo haverá um almoço na Casa do Pão de Santo Antônio, cujo “ingresso” será a aquisição de uma camiseta comemorativa, ao custo de R$ 25, que da direito ao churrasco e acesso ao evento. “Depois disso nós sairemos às 16 horas para um passeio pelas ruas da cidade e concentração em frente ao Macapá Hotel, onde ocorrerá o encontro dos jipeiros”, anuncia João Cruz, presidente executivo da entidade.
Entre as atrações deste encontro, crianças assistidas pela Apae, que ganharão um dia de lazer e passeio de Jeep. Além disso, haverá uma exposição dos veículos militares do 34º Batalhão de Infantaria de Selva e pronunciamento do comandante da unidade, o tenente-coronel Allan Quint, que explicará detalhes sobre a história do jipe e seu emprego nas Forças Armadas. “O jipe é considerado um dos heróis da Segunda Guerra Mundial”, disse o jornalista Cleber Barbosa, que é diretor de Comunicação do Jeep Clube.
Qualquer pessoa que possua um jipe em casa e mesmo que não seja sócio do Jeep Clube poderá participar. A idéia dos organizadores do Dia do Jipe é prestar uma homenagem ao veículo e dar mais uma opção de lazer às famílias amapaenses. “Onde quer que andem, os jipeiros e seus veículos chamam muito a atenção, especialmente das crianças, daí a gente convidar a todos para estar na Praça Beira-Rio na tarde de domingo”, argumenta José Maria Esteves, um dos coordenadores da festa.

Extraído de soujipeiro.blogspot.com

Sarney sobre Salomão: “Perdi um grande amigo”

O presidente do Senado Federal, senador José Sarney (PMDB-AP) desembarcou neste sábado em Macapá para participar dos funerais do amigo, correligionário e suplente, o empresário Salomão Alcolumbre, que faleceu na sexta-feira (1) em sua fazenda, no município de Cutias do Araguari. Falando aos jornalistas no saguão do aeroporto, Sarney disse estar profundamente triste e abalado. “perdi um grande amigo”, disse o parlamentar.
Sarney disse que além de perder um suplente, perdeu um de seus melhores amigos. “O Amapá perde um homem extraordinário, um dos melhores homens que eu conheci, um homem de bem, um homem correto, de espírito público e que trabalhou muito por este estado e que deixa em todos nós uma profunda saudade, uma grande ausência e um grande vazio”, disse o senador. Salomão era o segundo suplente de Sarney, pois o primeiro substituto é Jorge Nova da Costa, ex-governador do Território Federal do Amapá.
O presidente do Senado Federal nem bem se refez da enorme comoção provocada pelo falecimento de outro amigo, o ex-vice-presidente José Alencar, e depara-se com outra notícia triste, que foi a morte de Salomão. “Estou aqui justamente para me associar às tristezas e aus saudades do povo do Amapá, principalmente da família do Salomão Alcolumbre pela sua perda, que eu senti bastante, com uma grande comoção por que não só um amigo, era um companheiro e uma expressão do estado”, disse Sarney.
Licença - Os jornalistas também perguntaram a Sarney quando foia última vez que ele havia falado com Salomão Alcolumbre e ele declarou que isso aconteceu há dois meses quando estiveram juntos. “Ele havia me convidado para passar uns dias na fazenda e eu prometi ir”, recorda. Depois o senador revelou que naquela ocasião comunicou ao amigo que pretendia prestar-lhe uma homenagem especial, tirando uma licença do mandato assim que deixasse a Presidência do Senado. “Eu já havia conversado com o Jorge (Nova da Costa, primeiro suplente) para que o Salomão assumisse, mas infelizmente deus não permitiu”, concluiu Sarney.




No desembarque em Macapá Sarney foi saudado por adolescentes e jovens que foram ao aeroporto esperar a banda Restart

"Em 60 dias acabaremos com essa buraqueira"


ROBERTO GÓES - Anúncio de uma força-tarefa em Macapá a partir da próxima semana

O prefeito de Macapá, Roberto Góes, volta a expressar aquele olhar de alguém decidido a fazer a diferença e de quem pretende liderar um exército de homens e mulheres para enfrentar os problemas da cidade, especialmete diante da ameaça iminente de uma epidemia de dengue no Amapá e, claro, na Capital do Estado. Coincidentemente, ele enumera 300 integrantes de sua pequena tropa para fazer frente a problemas como a jugeira, o entulho e a buraqueira. Neste sentido, ele falou ontem ao Diário do Amapá sobre uma grande força-tarefa que pretende colocar nas ruas num período ininterrupto de 90 dias, quer seja com o apoio do Governo do Estado ou não. Roberto Góes diz que na segunda-feira chegam a Macapá 80 toneladas de asfalto e que em 60 dias a operação tapa-buraco terá vencido esta guerra.


"Até agora a gente já conversou duas vezes, não avançamos como deveria, mas eu espero que a gente tenha uma conversa definitiva para saber qual é a disposição que o Governo tem para entrar em Macapá"


Diário do Amapá - Prefeito, como é sair às ruas da cidade na companhia do juiz federal da Comarca para visitar obras em andamento que são objeto de convênio com a União?

Roberto Góes - Pois é, estamos nas ruas hoje acompanhado do doutor João Bosco visitando algumas obras em andamento o que é muito bom, pois nos enche de esperanças de ver nossa cidade cada vez mais bonita.

Diário do Amapá - Qual a primeira obra que o senhor visitou acompanhado pelo juiz João Bosco?

Roberto Góes - Foi o canteiro de obras de um shopping Center, na rodovia JK, acompanhado pelos responsáveis técnicos daquela belíssima obra e que depois de concluída deverá ser mais uma grande atração de nossa Capital.

Diário do Amapá - Na tarde da última sexta-feira o senhor esteve em uma audiência pública comandada por outro magistrado, o juiz Paulo Madeira, quando se tem notícia de resultados palpáveis para se resolver um problema ambiental. Como foi essa experiência?

Roberto Góes - Exatamente, nós estivemos ontem (sexta) nesta audiência pública com o juiz Madeira (Paulo Madeira) e o promotor Marcelo (Moreira) lá no bairro Cuba de Asfalto, com a presença novamente do doutor João Bosco, além do deputado federal Davi (Alcolumbre) e a comunidade de um modo geral, nós discutimos a implantação da segunda usina de asfalto que nós vamos tirar da usina para ser instalada em uma nova área, no Distrito Industrial. Foi lá que surgiu a idéia de convidar o doutor João Bosco para fazer essas visitas de hoje (ontem).

Diário do Amapá - E ele aceitou de pronto?

Roberto Góes - O doutor João Bosco é uma pessoa bastante preocupada com as questões do Estado e do Município. O convite foi para que nós fizéssemos uma visita a algumas obras em execução no município e que têm recursos federais. Nós fizemos uma visita ao Projeto Macapá, que é um complexo de obras com piscina, com área de lazer para os adolescentes, principalmente para a clientela da Secretaria Municipal de Ação Social e do Trabalho (Semast). Depois nós fomos fazer uma visita ao Projeto Mucajá, que já está com 50% da obra pronta e o restante eu acredito que a gente entrega até o final deste ano. São mais de 250 apartamentos que já estão prontos para serem entregues para a população da vila do Mucajá.

Diário do Amapá - E o juiz federal, o que acha de ver tudo isso de perto, prefeito?

Roberto Góes - Olha, o doutor João Bosco costuma acompanhar tudo muito de perto, mas ele tem um acompanhamento de pessoas da própria Justiça Federal verificando todo o andamento desse processo das pessoas que irão ocupar aquele espaço. Ele também fez questão de visitar conosco as obras do Shopping Popular que é uma obra do município com convênio do Estado. A última obra que nós visitamos foi a do bairro Cidade Forte, que são quase 500 moradias populares, dentro do programa Minha Casa Minha Vida com a participação do município, lá na zona norte da cidade. Então com a disposição que o doutor João Bosco tem a gente tem trabalhado muito essa questão habitacional.

Diário do Amapá - Além dessa política habitacional que ganhou fôlego extra nos últimos meses qual deve ser o maior desafio para a sua gestão diante do risco de uma epidemia de dengue no Estado do Amapá e na Capital também?

Roberto Góes - Nós estamos preparando uma grande frente de trabalho de combate à dengue, que é um problema que se alastra no município de Macapá e em todo o Estado. As ações ainda são muito tímidas então a gente deve ter uma nova conversa com o governador Camilo (Capiberibe) para a gente ver se intensifica o trabalho. Mas independente dessa questão a gente deve fazer uma audiência pública, que está tendo o apoio do juiz João Bosco, para que possamos convidar o Exército Brasileiro, a Associação Comercial, a Federação da Indústria, a Assembleia Legislativa, a Câmara de Vereadores, a Prefeitura, o Governo, a Diocese, as Igrejas Evangélicas e a sociedade de um modo geral.

Diário do Amapá - A idéia é chamar todos à responsabilidade ou é mais para conscientizar?

Roberto Góes - Nós queremos fazer um mapeamento de toda a cidade de Macapá e mostrar a gravidade do problema e atacar com decisão. A partir desta semana a gente já entra com uma grande força-tarefa, com a Prefeitura entrando no bairro do Pacoval e saindo de lá para o bairro Jesus de Nazaré, pois os focos são numerosos. Nós vamos entrar com mais de trinta caçambas e uma faixa de trezentos homens, para realizar trabalhos de limpeza, com a ação dos agentes de endemias, com os agentes do programa Saúde da Família, ou seja, nós vamos fazer uma grande ação mesmo.

Diário do Amapá - E depois, vem o que prefeito?

Roberto Góes - Bem, trabalhando esses dois bairros que falei esta semana, o Pacoval e o Jesus de Nazaré, nós vamos fazer o levantamento e seleção dos próximos bairros que essa ação irá alcançar, mas existe uma programação prévia apontando para o Nova Esperança, o Buritizal, o Santa Rita e o Renascer. Nós vamos trabalhar assim para termos condições de fechar um ciclo em 90 dias, intensificando as ações tanto na parte de limpeza nesta semana e uma grande ação do tapa-buraco na próxima semana.

Diário do Amapá - Daí a importância desse aval do aparelho da Justiça para que enquanto as novas usinas não ficam prontas a velha fábrica de asfalto possa dar conta do recado, não é mesmo?

Roberto Góes - Exatamente. Nós já estamos preparando essas novas usinas no Distrito Industrial e a manutenção da usina da cidade. Além disso, está chegando 80 toneladas de asfalto, assim como seixo, areia, pedra cimento, de modo que a gente possa fazer uma grande mobilização para recuperar a malha viária da cidade de Macapá.

Diário do Amapá - O senhor arriscaria um prazo ou meta a ser alcançada por todas essas frentes de ação da Prefeitura?

Roberto Góes - Eu acredito em 60 dias nós vamos acabar com essa buraqueira na cidade de Macapá. A idéia é trabalhar intensivamente esses 60 dias com uma força concentrada para resolver esses problemas. Paralelamente vamos ter as ações normais e corriqueiras, mas essa mobilização a que me refiro é para acabar com o lixo, com o entulho e com os buracos. É uma ação emergencial, pesada, para resolver os problemas da cidade.

Diário do Amapá - Isso independente da participação ou ajuda do Governo do Estado?

Roberto Góes - Nós vamos, como eu disse, procurar o retorno do governador Camilo esta semana para podermos conversar, pois precisamos colocar em prática todas essas ações. Até agora a gente já conversou duas vezes, não avançamos como deveria, mas eu espero que a gente tenha uma conversa definitiva para saber qual é a disposição que o Governo tem para entrar em Macapá, pois nós sabemos que é grave o problema da dengue, que PE também um problema do Estado, do município, enfim de todo mundo. Com relação ao tapa-buraco nós vamos ter que entrar pesado, com a ajuda do governo ou sem a ajuda do governo.

Diário do Amapá - Mas se vier esse reforço do Estado ajuda em muito não é mesmo?

Roberto Góes - Sem dúvida, se o governo vier será ótimo, pois dois fazem melhor do que só um, mas nós já temos dois planejamentos, ou seja, dois planos de ação. O plano A é essa ação que vamos iniciar esta semana, bairro a bairro, até vencermos essa batalha contra a sujeira e a buraqueira, que estimamos fazer em até 90 dias. Para isso vamos apelar para a ajuda da população e de todas as instituições que queiram trabalhar com a gente, como o Exército, pois nesse projeto não existe vaidade, queremos apenas trabalhar, chamar os voluntários. O plano B é com a participação do Governo do Estado, que se vier tudo isso pode ser potencializado.

Perfil

O prefeito de Macapá, Antônio Roberto Rodrigues Góes da Silva, o Roberto Góes, nasceu em Macapá e foi criado na Colônia Agrícola de Matapi, no município de Porto Grande. Teve uma infância muito difícil mas trabalhou desde pequeno juntamente com a numerosa família. Mudou-se adolescente para a Capital, estudou em escolas públicas e depois trabalhou com os pais em uma serraria. Tornou-se popular e empreendedor, elegendo-se vereador de Macapá em 1992; dois anos depois chegou à Assembléia Legislativa, onde cumpriu quatro mandatos consecutivos; como desportista, virou presidente da Fe-deração Amaapense de Futebol (FAF) e foi convidado a chefiar por duas vezes uma delegação oficial da seleção brasileira na Copa América. Como carnavalesco, presidiu a Escola de Samba Jardim Felicidade e depois a Liga das Escolas de Samba do Amapá (Liesa). Em 1998 elegeu-se prefeito de Macapá e está no terceiro ano de gestão.

Notas de hoje






Salomão se foi

Uma triste coincidência 0para fechar a semana. Enquanto Brasília reverenciava a memória de José Alencar, empresário e ex-presidente do país, em Macapá o luto foi pela partida de Salomão Alcolumbre,um dos mais tradicionais empresários do Amapá e que também entrou na política. O colunista lamenta e está solidário aos familiares e amigos.

Na fazenda

O empresário e suplente de senador Salomão Alcolumbre, era um homem muito simples, apesar do sucesso nos negócios. Tinha aversão a badalações e aparições midiáticas. Numa de suas raras entrevistas a este colunista, mostrou-se um saudosista da Macapá de outrora e da paixão pelo mundo rural, onde, afinal, concluiu sua passagem por aqui.

PT x PSB

A coluna repercutiu uma notícia dos bastidores do Setentrião que dava conta da possível movimentação para demover a pré-candidatura do secretário da Infraestrutura, Joel Banha (PT), a prefeito de Macapá no próximo ano. Leitor da coluna afirma que a tendência do PSB é novamente encabeçar chapa, com o professor Marcos Roberto à frente.

Sem banda

O comando do Exército no Amapá confirmou a presença de um estande e veículos militares em exposição, como parte pela programação do Dia Mundial do Jipe, ama-nhã à tarde, na Praça Beira Rio. Mas a apresentação da Banda de Música do 34º BIS não poderá acontecer, conforme solicitação do Jeep Clube, pelo país estar de luto oficial.

Literatura – Acabou de ser lançado o livro Caldo Fino – Crônicas sobre o cotidiano no Amapá. A obra, regada a muito humor e desconcentração, reúne 24 crônicas feitas por jovens talentos amapaenses, sendo eles alunos e ex-alunos de diversos cursos de graduação. O livro busca mostrar, através de diversos ângulos, o cotidiano no nosso estado. As coordenadoras são as professoras Roberta Scheibe e Cláudia Maria Arantes de Assis.

Chocolate

Neste sábado, das 9 às 11 horas, no Centro de Treinamentos da Casa do Sorveteiro, empresa parceira do Projeto Panificação Compe-titiva do Sebrae, promove, exclusivamente, para um grupo de 25 colaboradores da Instituição, a Oficina de Chocolate para a Páscoa. O treinamento será na Rua Hildemar Maia, 2516 - Buritizal com o instrutor Joelson Gama. Evento é apoiado pelo Sebrae-AP.

Recrutamento

O presidente da Câmara Municipal de Macapá, vereador Rilton Amanajás (PSDB) assumiu um importante compromisso ontem na primeira reunião da Ação Conjunta contra a Dengue, no quartel do 34º BIS. Pretende mobilizar servidores e assessores do Legislativo para aumentar o efetivo do exército que sairá às ruas de Macapá para o combate ao mosquito transmissor da dengue. Sugeriu que outros órgãos façam o mesmo.

Visita

O ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, é esperado em Macapá na próxima terça-feira, para cumprir extensa agenda de compromissos. Entre outras atividades, deverá inaugurar uma nova agência do INSS no município de Calçoene. Fala-se também de um projeto para levar o atendimento do órgão para localidades como o distrito do Bailique. Tomara que aumente essa presença mesmo.

Em boas mãos

O ex-vereador Caetano Tomaz foi chamado ao Palácio do Setentrião. Ele é uma das principais lideranças do distrito de Fazendinha então poderá ser “premiado” com a designação para ser o administrador do Parque de Exposições de Fazendinha, o tradicional palco das Exposições Agropecuárias, como a Expofeira. Ele é mais do que legítimo representante daquela comunidade, então que faça um bom trabalho por lá.

Alencar
Por Sarney

Em seu artigo semanal, o presidente Sarney escreveu isso sobre o amigo: “No meu tempo não vi um político ser objeto de opinião tão unâ-nime e receber uma solidariedade tão sem contrastes de todos os segmentos da sociedade quanto José Alencar. Uns foram populares mas não tinham unanimidade, ou-tros tinham unanimidade mas não eram tão populares”.

De volta
A Brasília

O ex-prefeito e suplente de senador Geovani Borges (PMDB-AP) assumiu mais uma vez o mandato de senador devido ao pedido de licença do titular, seu irmão Gilvam Borges (PMDB-AP). Apesar do mandato tampão, o novo parlamentar foi logo se articulando e mandando ver na tribuna da Casa. Prestou homenagem a José Alencar e ainda defendeu um terceiro pacto republicano para o país.

Artigo

O ex-presidente da República José Sarney, que é senador pelo Amapá, escreveu em seu artigo semanal que admirava José Alencar também pela vontade de viver. “Todas as vezes que fui visitá-lo estava inexcedível e comovente no seu ânimo forte, com determinação de lutar pela vida, em sua obrigação de submeter-se a todas as indicações que lhe eram impostas pelos médicos”, escreve Sarney.