Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura e política.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Fotógrafos brasileiros criam startup para turistas registrarem viagens pelo mundo

Que tal aposentar seu pau de selfie? Ou ter a viagem dos seus sonhos registrada por fotógrafos? Mostrar que você esteve em Paris visitando a Torre Eiffel, ou a Casa Rosada, em Buenos Aires, sem precisar tirar o iPhone do bolso? Isso é possível com o Phototrip.me, uma iniciativa criada por uma rede de profissionais especializados em turismo e fotografia em mais de 15 cidades do Brasil e do mundo.

Os principais conceitos da startup são a imersão cultural nas cidades e no cotidiano local, tudo registrado pela lente de fotógrafos profissionais, que também auxiliam com a curadoria de lugares de acordo com o gosto dos clientes. Com o Phototrip.me, a ideia é valorizar as experiências com a maior fidelidade possível. “Muitas vezes o fotógrafo irá sugerir locais e pontos fora da rota turística tradicional para o ensaio”, explica o publicitário Túlio Pires Bragança, sócio-fundador do Phototrip.me. “A selfie ou uma foto de celular são válidos como um registro de viagem, mas acreditamos que a fotografia pode captar muito mais do que um simples frame. A nossa proposta é transformar estes momentos em souvenirs que serão lembrados da mesma forma por anos e anos”, completa.

Hoje, o serviço atende as seguintes cidades na Europa: Lisboa (Portugal), Londres (Inglaterra), Madri (Espanha), Paris (França) e Viena (Áustria). Já na América do Norte, trabalha com as duas principais cidades da costa leste e oeste dos Estados Unidos: Los Angeles e Nova York. Na América do Sul, o tour está presente em Buenos Aires, capital argentina, e deve atingir outras capitais até o fim do primeiro semestre. No Brasil, o Phototrip.me já está presente em Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Gramado, Ouro Preto, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo.

“Nosso diferencial é ser uma alternativa de turismo diferente e criativa. Pode ser uma tarde de um casal, um presente para os pais ou um dia legal com amigos. Fora que o preço, principalmente nas cidades brasileiras, é bem interessante", diz Henderson Moret, fotógrafo e também fundador do Phototrip.me.

O Phototrip.me nasceu como uma rede de fotógrafos brasileiros pelo mundo, mas o objetivo é logo incorporar profissionais que falam espanhol para atingir o restante da América Latina. Em uma segunda fase do projeto, pretende-se promover eventos como caminhadas e tours fotográficos, workshops de fotografia e exposições da equipe.

Quem está por trás do Phototrip.me

- Henderson Moret, fotógrafo brasileiro em Buenos Aires, que só em 2015 fez mais de cem ensaios com turistas na cidade. Formado em Publicidade e Marketing em Campinas.

- Túlio Pires Bragança, criador do Aires Buenos (http://airesbuenosblog.com/), o maior site de conteúdo turístico de Buenos Aires para brasileiros, e da empresa Aires Buenos Tour, que levou cerca de 1500 pessoas para conhecer Buenos Aires no último ano.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Notas da Coluna Argumentos, terça-feira, dia 26 de abril de 2016.

Voluntários

Médicos estrangeiros em andanças pelo mundo chegam ao Amapá, para atendimentos sociais. Pessoas carentes que levam além dos dramas pessoais umas lições de vida na Amazônia. Há uma troca, sem dúvida, com relação à doenças tropicais.

Reação

O ex senador Gilvam foi à telinha da tv ontem à noite para a propaganda eleitoral do PMDB. Anunciou não o ‘governo paralelo’, mas um comitê de crise em Macapá, para enfrentar problemas urbanos.  

Mídia

Gilvam já teve o nome entre os prováveis candidatos a prefeito de Macapá e lidera o bloco da oposição a Clécio. Este, por sua vez, edita novo filme publicitário, com discurso de ter ‘acelerado’ as respostas.

Contraste

Já em Santana os opositores do atual prefeito Robson criticam o roteiro da publicidade institucional que o município portuário faz veicular na telinha global. Problema é a distância do virtual com o real, dizem.

Dupla

Robson Rocha teria se reaproximado do pai, o ex prefeito Rosemiro (não que fossem inimigos), pois haviam se distanciado apenas do ponto de vista político. E com promessas mútuas de reunir forças.

Academia
O jornalista Gustavo Barbosa (em pé) que é um dos novos talentos do magistério superior no Amapá, atua firmemente para que a fotografia digital mantenha a “pegada” dos tempos românticos das máquinas analógicas. Com criatividade e “escrevendo com a luz”, os novos jornalistas chegarão longe, diz o educador.

Correndo

Estão se multiplicando os clubes de corrida de rua em Macapá. Trata-se de uma excelente pedida para surgir uma ‘geração saúde’ que reúne gente que decidiu mudar de vida e não apenas de visual. Sim, ex gordinhos operados ou não do estômago que estão agindo como multiplicadores dessa filosofia.

Colonos

Moradores da região da Perimetral Norte, a maioria produtores rurais, estão animados com a possibilidade de ver a velha Estrada de Ferro do Amapá (EFA) sendo revitalizada. O anúncio foi feito pelo governo do estado, que promete abrir certame licitatório para arrendar a ferrovia a quem queira investir.

Maré boa

O economista e consultor Luiz Pagot, que abre caminho para uma holding do Mato Grosso se instalar no Amapá em definitivo, diz que as duas boas notícias recentes foram decisivas para o projeto. Zona Franca Verde e reversão das terras da União para o estado. Tomara!

domingo, 24 de abril de 2016

“Empreender não é só montar negócios, é ter atitude, uma perspectiva diferente”.

Um dos nomes mais respeitados atualmente no mercado dos grandes palestrantes é João Kepler. Uma curiosidade sobre ele, que veio a Macapá recentemente a convite do Sebrae para proferir palestra sobre sua especialista, a inovação, é que é amapaense. Hoje um cidadão do mundo, pois estudou e morou nos Estados Unidos, fez carreira no Nordeste (hoje mora em Maceió), retornou a Macapá uma semana depois da palestra, ocasião em que falou ao jornalista Cleber Barbosa sobre sua visão empreendedora, a carreira e os desafios que a crise econômica está propondo aos homens e mulheres de negócio. Também explica como radicalizou ao cortar a mesada dos próprios filhos, só para incutir noções de empreendedorismo nos garotos, que seguiram seu exemplo e hoje também são sucesso nos negócios.

Cleber Barbosa
Da Redação

Diário do Amapá – Depois de muitos anos você retornou a Macapá para mais uma de suas palestras, como foi esse reencontro com a cidade onde você nasceu antes de ganhar o mundo João?
João Kepler – Pois é, foi um enorme prazer retornar, bater um papo com as pessoas e falar sobre inovação, que é a minha especialidade, então oportunidade para atualizar todo mundo dessa terra bonita que aliás fazia tempo que eu não vinha aqui.

Diário – Pois é, foi a primeira vez que você retornou a Macapá depois dessa fase profissional em que virou palestrante?
João – Foi. Depois de adulto foi sim. Eu nasci em Macapá e a primeira coisa que disse nessa volta foi que o bom filho à casa torna... [risos]

Diário – E como foi essa experiência, da volta?
João – Foi muito bom, inclusive porque alguns parentes meus foram lá no evento do Sebrae para me ver, foi rápido demais então tive que voltar outra vez logo em seguida. Agora eu pretendo voltar mais vezes, com certeza.

Diário – E sobre falar em inovação, o que essa palavra representa nos dias atuais de dificuldades na economia e em diversas áreas?
João – Na verdade inovação não é tecnologia, pois essa é a primeira coisa que vem à cabeça das pessoas quando ouvem falar em inovação. Elas dizem “ah isso é aplicativo, é para celular, sites, sistemas”. Não, não é nada disso. É também, né? Inovação é uma atitude, é você fazer a mesma coisa que você já faz só que de forma diferente. Quando você inova num processo, quando você inova na sua empresa, numa loja, por exemplo, você atinge um objetivo que é o encantamento do seu cliente e das pessoas que se relacionam com você. Então inovar é você fazer algo que você não faz e passa a fazer, ou seja, você faz uma mudança que pode ser inovadora ao ponto das pessoas dizerem “uau!”, ou ainda “nunca pensei nisso”, “que bacana”, entende? Isso realmente faz toda a diferença.

Diário – Daí se aplicar ao pacote de enfrentamento da crise?
João – Para mim inovação é a única ferramenta que nós temos, tirando investimento, dinheiro e outras coisas que a gente pode fazer em nossos estabelecimentos, em nossas empresas que pode mudar e ajudar nesse momento tão complicado que a gente está passando na economia brasileira, nas empresas e nos negócios.

Diário – Guardadas as questões de natureza ética, qual o case que você poderia exemplificar sobre alguém que decidiu inovar e o resultado foi satisfatório?
João – Posso dizer duas coisas sobre inovação que podem ajudar. Primeiro é a questão da perspectiva em relação aos modelos de negócio. Falando em turismo você tem o site “Airbnb.com”, que é o maior sistema, o maior negócio hoje de aluguel de quartos no mundo. Ele compete diretamente com os maiores hotéis, já se aluga mais quartos nesse site, que é mundial, vale bilhões. Para se ter uma ideia da importância desse modelo de negócio, chamado de pessoa para pessoa, onde não existe intermediário, não existe nenhuma estrutura mobilizada, apenas os quartos ou até a casa inteira das pessoas dispostas a alugar. Isso é um modelo de negócio inovador. Assim como o aplicativo UBER, que compete com os táxis tradicionais, pois são pessoas dirigindo para pessoas, com seu carro próprio. São modelos de negócios totalmente inovadores e que estão valendo bilhões no mercado e que não têm capital tangível, aquele que se pega, sabe? Mesa, cadeira, imóvel, patrimônio. Esses modelos só têm capital intangível, o chamado capital intelectual, que qualquer jovem, qualquer pessoa hoje pode montar um negócio do nada e fazer muito dinheiro. Não requer grandes estruturas, grandes investimentos e por isso tantos jovens estão fazendo aplicativos, por exemplo.

Diário – E na sua própria família você já conseguiu motivar seus filhos a serem empreendedores, não é?
João – Sim, eu tenho um filho de 14 anos que desenvolveu uma solução de venda de material escolar online que intermedia com os pais, eles não precisam buscar material escolar em várias papelarias. Ele entra no site do meu filho e é só botar a idade, a série e a escola que automaticamente a lista inteira aparece na tela. E ainda se pode pagar em dez vezes...

Diário – É o que se chama hoje de startup é isso?
João – Exatamente, é uma startup, uma empresa inovadora.

Diário – Pois é, a mídia chegou a explorar essa sua relação com seus filhos, dizendo que ao cortar a mesada deles você os induziu a serem empreendedores, buscarem sua própria renda, que pudessem conquistar as coisas. Como foi isso?
João – Eu desde muito cedo criei um ambiente empreendedor dentro da minha casa. Tenho uma menina de 11 anos que faz brigadeiros, bolinhos, cupcakes e vende na escola para suas amiguinhas, faz encomendas, enfim, busca o dinheirinho dela. O meu do meio, que se chama Davi, de 14 anos, foi o que criou essa startup de material escolar e o mais velho de 16 tem uma empresa de venda de ingressos. Por que que eles decidiram abrir seus próprios negócios? Porque eu nunca dei nada a eles além das datas tradicionais comemorativas, então a televisão, o computador, tudo o que o Davi tem no quarto ele comprou com o dinheiro dele. Então são conceitos de empreendedorismo que eu estou implantando na minha casa desde cedo, porque empreender também não é só montar negócios, é ter atitude. Empreender é ter uma perspectiva diferente sobre tudo, é olhar inovação por outro aspecto, por outros olhos.

Diário – Isso teria sido repassado a você por seu próprio pai, só que de um conhecimento empírico, é isso?
João – Verdade. Do jeito dele, né? Ele não sabia muito bem o que estava fazendo e nunca me deu nada, como carro, roupa bonita, nada. Ele dizia apenas “te vira moleque”, ou então “o rio é ali pegue uma tal de vara”. O que eu fiz foi dizer “te vira moleque, o rio é ali, pegue uma tal de vara e coloque uma isca, você tem que ter habilidade, resiliência, paciência”. Ou seja, eu fui um pouco mais além do que meu pai, que não sabia o que precisava ser feito. Hoje é muito mais fácil você dar os caminhos e se tornar um mentor e não um professor. O mentor e o cara que pergunta e o professor é o cara que ensina.

Diário – Nada contra educação tradicional, né?
João – Não, é que tudo o que eu incentivei eles a lerem, pesquisarem sobre empreendedorismo, funcionou como uma educação complementar, porque a educação tradicional apesar de ser muito importante, e é, ainda é muito focada na decoreba ainda né? O meu mais velho diz assim “eu não quero decorar, quero aprender”. Você só aprende quando você exercita.

Diário – O Amapá viveu há alguns dias o paradigma de realizar ou não a Expofeira Agropecuária, o maior evento sobre o que o estado produz. Feiras estão ultrapassadas ou ainda são importantes?
João – Primeiro que o turismo de eventos é fortíssimo no mundo todo. É o turismo que mais cresce. As pessoas vão a eventos como esse porque precisam se relacionar de pessoas para pessoas, pois as oportunidades vão aparecendo. As agências de viagem viviam no passado só da venda de bilhetes, hoje elas vivem da venda de serviços turísticos, pois as pessoas vão na internet e compram online. Então quando as pessoas têm a chance de se encontrar num evento como esse as oportunidades aparecem.

Perfil

Entrevistado. João Kepler Braga é um   Empreendedor Serial; Especialista em Comércio Eletrônico, Marketing Digital, Empreendedorismo e Vendas; Investidor Anjo, membro da AnjosDoBrasil; Finalista do prêmio Spark Awards como Investidor Anjo do Ano; Conselheiro da GCSM Global Council of Sales Marketing; Associado e Mentor na @SeedInvestimentos; Cotista e Mentor na Aceleradora StartYouUp; CEO na Plataforma B2B de Internet Ticketing ShowDeIngressos; Blogueiro e Colunista de diversos Portais no Brasil; Palestrante internacional; Escritor e autor de Livros e DVD´s, como: “Vendas 3.0″, “O vendedor na Era Digital” e “Vendas & Atendi-mento”; Incentivador do ecossistema empreendedor no Brasil e espalhador de Ideias.

Notas da Coluna Argumentos, domingo, 24 de abril de 2016.

Susto

O carro que transportava o deputado federal Marcos Reátegui capotou ontem próximo ao município de Tartarugalzinho. O parlamentar cumpria agenda política na região e estava acompanhado da namorada e alguns assessores. Felizmente ninguém ferido grave.

Chuva

Falando à coluna, o parlamentar amapaense disse que o veículo Pajero rodou na pista molhada e depois capotou algumas vezes. Todos usavam cinto de segurança e saíram apenas com escoriações leves.

Curso

Associados do Jeep Clube de Macapá receberão treinamento ministrado pelo Exército Brasileiro sobre noções de sobrevivência na selva, nós e amarrações, além de navegação com bússola.

Natureza

O presidente do clube, empresário Manoel Mandi, diz que essa capacitação vem complementar outras parcerias com os militares do 34º BIS e visa também repassar conhecimentos sobre proteção ao meio ambiente.

Partículas

Por falar em proteção ao meio ambiente, Almeida Júnior, da Ong Ambiental Amigos em Ação se diz contra um velho hábito de Macapá (e pelo interior ainda) de lavar carro a beira de um rio. Polui, diz ele.

Rádio
Médico cardiologista Eduardo Monteiro de Jesus esteve ontem nos estúdios da Diário FM dando valiosas dicas sobre os cuidados com a saúde. A prevenção é vital, segundo o especialista, para evitar os males responsáveis por 1/3 dos óbitos atualmente no Brasil. Levantou a audiência e suscitou a participação de ouvintes.

Sindetur

Em Mato Grosso, onde acontece a FITA, Feira Internacional de Turismo da Amazônia, o empresário Edyr Pacheco diz ter ficado impressionado com a participação do poder público no evento. “Turismo movimenta toda a cadeia econômica”, diz o atual presidente do Sindicato do Setor.

Mercado

Em absoluta primeira mão, o economista e consultor Luiz Pagot, falou ontem ao nosso Conexão Brasília, pela Diário FM, a respeito do arrojado projeto de escoar grãos do Centro-Oeste pelo Porto de Santana. A proposta é altamente viável, pelo que disse, devido aos custos do transporte rodoviário.

Negócio

Os grãos do Mato Grosso, como o milho, chegarão ao Amapá via fluvial, em barcaças que em comboio duplo transportam o equivalente ao que mil carretas transportariam. E ainda deixariam de ir até portos como Santos e Paranaguá, hoje extremamente congestionados. E caros.

terça-feira, 19 de abril de 2016

Macapá ganha linha de ônibus "turística" entre shopping, rodoviária e aeroporto

Linha atenderá a demanda de bairros da zona sul, centro e zona norte da capital.

Amanhã, quarta-feira (20/04), a partir das 10h, no piso L0 do Amapá Garden Shopping, será lançada a linha Shopping Garden/Aeroporto/Rodoviária, com 04 (quatro) micro-ônibus executivos, com acessibilidade, refrigerados e capacidade para 28 passageiros cada. A frota atenderá aos bairros da zona sul, centro e zona norte, passando pelas principais vias da capital.
O serviço é fruto da parceria entre o Amapá Garden Shopping com a Companhia de Trânsito e Transporte de Macapá (CTMAC), junto com a empresa Expresso Marco Zero, que irá operacionalizar a linha. A tarifa cobrada pelo serviço será de R$ 4,00 e R$ 2,00 para estudantes que possuem o direito da meia passagem.

Sobre o Amapá Garden Shopping - estrategicamente na Rodovia JK, em frente a Universidade Federal do Amapá – Unifap, o Amapá Garden Shopping possui 30 mil m2 de área bruta locável, construído em um terreno de 70 mil m2, na via que liga Macapá ao segundo maior município do Estado, Santana. O empreendimento é administrado pela Tenco Shopping Centers que possui atualmente em seu portfólio mais de 17 shopping centers, destes 8 já inaugurados.

domingo, 17 de abril de 2016

TODOS À BRASÍLIA: Impeachment vira atração turística na capital federal

Cleber Barbosa
Da Redação

Brasília costuma ser chamada de “cidade-repartição”, afinal é o centro político e administrativo do país, onde estão instalados os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Mas a capital do Brasil não é só isso, tem um comércio pujante e, acredite, setor industrial em franca ascensão. Mas o fim de semana, que costuma ser sinônimo de esvaziamento da cidade, agora registra aquecimento do setor de turismo, por conta de gente querendo acompanhar o histórico processo de Impeachment da presidente do país.
Segundo técnicos do setor, ouvidos pelo Diário do Amapá em Brasília, a cidade está lotada desde o começo da semana, com picos resultando na falta de acomodação desde sábado. “A gente sabe que o Impeachment é o auge de uma crise política, o que é lamentável, pois significa a possibilidade de um fim de governo prematuramente, mas não se pode negar que virou um espetáculo midiático e ninguém quer perder os eventos, pois é a história do país sendo escrita”, comenta a turismóloga Allessandra Giarolla, 34.
Muitos amapaenses também viajaram para a capital do Brasil seja para protestar a favor ou contra o Impeachment, como também apenas querendo fazer parte da história, como uma testemunha. A seguir mais curiosidades sobre as atrações do lugar.
O projeto de Brasília
Foram desenhados diversos “planos-pilotos” antes da aprovação do projeto do urbanista Lúcio Costa. No formato de avião, o Plano Piloto de Costa levava em conta o relevo da região e o contorno do Lago Paranoá.

Por que Candangos
Em 1956, o governo de Juscelino Kubistchek criou uma empresa chamada Novacap com o objetivo de construir a nova capital do Brasil. Brasileiros de todas as partes do país viajaram para o Planalto Central para trabalhar na obra e passaram a ser chamados de candangos.

Cercada por água
O lago Paranoá nasceu do represamento de um rio da região, chamado rio Paranoá. Brasília está localizada a 1.000 metros acima do nível do mar, numa região plana conhecida como Planalto Central.

A Catedral de Brasília
A Catedral, principal templo católico da capital chama-se, na verdade, Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida.

Arquitetura premiada
Devido ao seu conjunto urbanístico e arquitetônico, Brasília foi reconhecida como Patrimônio Mundial pela Unesco. Ela possui a maior área tombada do mundo: 112,5 quilômetros quadrados.




A cidade futurista que vira patrimônio da humanidade

Brasília é uma cidade que nasceu à frente do seu tempo. A capital brasileira é um monumento a céu aberto e, com apenas 50 anos de existência, já é considerada Patrimônio Cultural da Humanidade. Sua infra-estrutura proporciona opções variadas para o visitante, com mais de 7 mil bares e 3,5 mil restaurantes. Possui intensa vida noturna e cultural, além de riquezas naturais em abundância, como cachoeiras, grutas e lagoas, cenários perfeitos para passeios e a prática de esportes na natureza. A sede administrativa do país também é conhecida pela sua diversidade mística.
Devido ao seu conjunto urbanístico e arquitetônico, Brasília foi reconhecida como Patrimônio Mundial pela Unesco. Ela possui a maior área tombada do mundo: 112,5 quilômetros quadrados.
Entre as cidades-irmãs de Brasília estão Washington (Estados Unidos), Buenos Aires (Argentina), Lisboa (Portugal), Doha (Qatar), Roma (Itália), Lima (Peru), Santiago (Chile), Sidney (Austrália) e Berlim (Alemanha).
Ela possui também o quinto maior PIB per capita entre as principais cidades da América Latina. A Esplanada dos Ministérios é formada por 17 edifícios.

Chamada de “Muro do Impeachment” cerca vira atração turística em Brasília

Com o Congresso fechado para visitações neste fim de semana para a votação da aceitação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), a maior atração para quem visita a Esplanada dos Ministérios é a divisão feita para separar manifestantes pró e contra a saída de Dilma. No sábado (16) pela manhã, foi possível ver diversos turistas e moradores da capital tirando foto no “muro do impeachment”, numa alusão que chega a lembrar o “muro de Berlin”, que foi um símbolo do período da Guerra Fria.
A favor do impeachment de Dilma por acreditar que ela não tem mais condições de governar o país, o casal de servidores públicos Clélia e Casto Costa afirmam que até o muro está sendo politizado. "Brasília é totalmente acolhedora. Este muro que divide a cidade em duas não representa a capital. Representa este momento do país, infelizmente", diz Castro. "É feio, mas é necessário", disse Clélia.
O engenheiro Max Martinhão, que mora na capital federal há 18 anos, aproveitou para gravar um vídeo com críticas à divisão. "Estava mandando (o vídeo) para os meus contatos do WhatsApp falando que nunca vi uma divisão assim aqui. Para mim, este é o símbolo da divisão". Quanto ao impeachment, ele se disse contra: "É um processo apressado. É só comparar com o processo contra Cunha. Está demorando bem mais".
Até o meio da manhã deste sábado, a polícia estava permitindo que os turistas andassem de um lado para o outro do muro. De acordo com um PM que faz a segurança da Esplanada, o trânsito de pedestre entre os lados do muro deve ser suspenso quando manifestantes pró e contra Dilma começarem a chegar na Esplanada dos Ministérios.

Fontes: Portal UOL e Blog Conexão Brasília

Curiosidades
- Os projetos arquitetônicos de Oscar Niemeyer atraem milhares de turistas para a capital do Brasil todos os anos.
- Brasília é a terceira cidade mais rica do Brasil. A renda do brasiliense é três vezes maior do que a renda média do brasileiro.
- A capital  está localizada a 1.000 metros acima do nível do mar, numa região plana conhecida como Planalto Central.
-  Brasília também tem um lado místico. Como a lenda de que em 1883, um sonho de Dom Bosco previu o surgimento de uma civilização muito próspera.

1961
Ano de inauguração de Brasília.

Lago Sul


Notas da Coluna Argumentos, domingo e segunda-feira, 17 e 18 de abril de 2016

Senadores

No Senado – que não vota agora – a bancada amapaense está dividida. O único a poiar o Impeachment é Davi Alcolumbre (DEM). Randolfe (REDE) e João Capiberibe (PDB) tomerão posicionamento contrário ao impedimento de Dilma. Mas o foco neste domingo está na Câmara dos Deputados.

Internet

Já o deputado Marcos Reátegui, do PSD, organizou uma consulta aos eleitores do estado pela internet. Isso iria nortear como o parlamentar – que é delegado da PF – irá votar neste domingo. O resultado da enquete foi pelo apoio ao impeachment, mas ele decidiu não anunciar seu posicionamento. Só na urna.

Povão

Haverá manifestações contra e a favor da saída de Dilma Rousseff em Macapá. Qualquer que seja o resultado o temor é que possa acontecer atos de vandalismo ou até ataques de lado a lado. Que os organismos de segurança pública estejam ligados para evitar o pior, é claro.

Talento
A cantora amapaense Aline Silva passa a assinar Aline Miéle. A mudança não é só no nome, mas uma guinada profissional. A jovem de apenas 19 anos, na foto na Diário FM, falou ao programa Conexão Brasília sobre engatar projeto nacional, tendo a Bahia como laboratório. Descoberta por produtores musicais de lá, vai gravar um cd com músicas autorais. Boa sorte!

No sim

O deputado Cabuçu Borges anunciou seu voto no processo de Impeachment da presidente Dilma Roussef. Vai pela abertura do processo que poderá resultar na cassação do mandato dela. “Vou seguir a orientação partidária”, disse o parlamentar amapaense.

Idem

Quem também pôs fim ao mistério sobre como será seu voto neste domingo foi o deputado federal André Abdon (PP). Já estava liberado pela legenda a exercer o voto livre mas não dava pista. Ontem disse ser a favor.

Rádio

Roberto Góes faz jus à indicação para ser o vice líder do governo federal na Câmara e declara voto contrário ao Impeachment. Ontem explicou seus motivos em entrevista ao nosso programa Conexão Brasília.

Demandas

O pedetista confirmou que o apoio à Dilma estava condicionado ao apoio institucional ao estado e descartou vantagens pessoais. “O Amapá precisa de mais antenção por parte do governo federal”, disse.

Caminho

Janete Capiberibe (PSB) vai pelo apoio à presidente. O seu partido havia deliberado pela abertura do processo na Câmara dos Deputados, mas também não vai punir quem não seguir essa orientação.

ENTREVISTA | “A violência é da natureza humana, mas as pessoas estão mais intolerantes”

Psicólogo. Diego Almeida fala sobre como a psicologia forense está vendo a onda de violência que assusta o Amapá.
O psicólogo Diego Sousa de Almeida foi ao rádio participar de um debate a respeito da violência. Foi durante o programa Conexão Brasília, na Diário FM. Ele falou sobre as origens da humanidade, quando o homem passou a ter contato com a violência como forma de sobrevivência. Depois, com a civilização, esses instintos foram reprimidos por regras de convivência social. Então o que explica o fato da sociedade atual achar que o mundo está mais violento? O que leva uma pessoa a entrar para o mundo da criminalidade? Essas e outras perguntas são respondidas pelo especialista nesta entrevista que o Diário do Amapá publica neste domingo, concedida ao jornalista Cleber Barbosa. Acompanhe a seguir os principais trechos da conversa.

Cleber Barbosa
Da Redação

Diário do Amapá – Falar sobre a violência dos dias atuais não deve ser coisa simples para a psicologia não é?
Diego Almeida – Exatamente, não é simples. A violência é um tema muito complexo e a gente percebe hoje que o mundo realmente parece que está mais violento, mas na verdade se a gente for falar um pouco mais sobre isso podemos dizer que a violência é uma constante. Ela é natural ao ser humano, a gente convive com isso desde os primórdios, desde os tempos anteriores à civilização.

Diário – Então porque as pessoas estão mais assustadas e até revoltadas com tanta violência?
Diego – O que ocorre hoje é que como nós temos meios de informação mais rápidos, mais velozes como a mídia televisiva e a internet através das redes sociais. Acontece que a violência fica mais exposta, aparece mais, ao contrário do que acontecia anteriormente, quando a informação circulava com menor velocidade.

Diário – Dá para dizer que as pessoas estão mais violentas atualmente?
Diego – É importante conceituar, o que não é muito fácil, mas a diferença entre violência e agressão. A agressão é um movimento natural do homem, antes da civilização, pois naquela época o homem para sobreviver precisava matar, precisava articular de várias maneiras, vários meios para sobreviver. E não existiam leis naquela época. Depois que a sociedade de modo geral se organizou essa maneira de agir do homem ficou reprimida, ele precisou reprimir para viver em sociedade. Daí eu dizer que a agressão é comum, tanto no meio social humano como no meio animal. Ela pode ser entendida como um impulso filogenético programado pelo ataque ou recuo quando a vida ou o espaço vital são ameaçados. Isso a gente percebe no próprio animal, quando é acuado, quando é atacado ele vai se defender, é um instinto do animal.

Diário – E o homem, age como quando é violento?
Diego – Diferente do animal o homem é o único capaz de empreender um ato agressivo com prazer, com satisfação. Nesse ponto ele se difere do animal e aí a agressão é sinônimo de qualquer ação ou omissão com mecanismo usado contra o outro para causar qualquer tipo de dano ou prejuízo.

Diário – Hoje a gente tem visto as pessoas se mobiliando para a prática da violência, usando até ferramentas da modernidade, como as redes sociais.
Diego – Quando a gente vive em sociedade, a leis e as regras de convivência interditam, elas interrompem o homem e esses instintos, essa vontade original é reprimida. Já com os grupos que se formam e praticam a violência é diferente. Quando as pessoas se associam para praticar a violência essa repressão diminui e as pessoas se sentem mais livres para atuar.

Diário – Ainda com relação à internet a gente já viu recentemente pessoas sendo indiciadas por apologia ao crime, ao postar fotos portando armas de fogo ou até combinando vinganças e outros atos de violência. Como o senhor vê isso?
Diego – O grupo se sente livre para atuar, conforme eu disse anteriormente. Algumas pessoas até dizem não reconhecer mais um indivíduo porque ele se transformou. Na verdade são instintos que estão ali, são vontades que estão ali desde sempre e que quando ele se reúne em grupo essa repressão social causada pelas leis, e a resistência interna causada pelo que se chama de psique, o superego, ele reduz. A ideia de estar em grupo é se camuflar, não ser percebido, ao contrário do que aconteceria se estivesse agindo sozinho.

Diário – Segundo estatísticas da Justiça local, 76% da população carcerária hoje do Iapen é constituída por pessoas na faixa etária dos 18 aos 27 anos, ou seja, um grupo eminentemente jovem.
Diego – Exatamente, esses dados reais e lamentáveis eu diria. Além da violência eu percebo também que há uma constante de intolerância. A gente vive um tempo de intolerância onde as pessoas saem de uma simples discussão no trânsito ou uma discussão familiar pode gerar às vezes um trauma maior, um problema muito maior. As pessoas hoje têm menos tolerância.

Diário – Tem até uma frase que diz que ‘o homem é um produto do meio’, ou seja, do meio onde ele vive, então diante dessas circunstâncias as pessoas estão também ficando mais acomodadas com os episódios de violência?
Diego – Exatamente, mas pela psicologia na verdade acontece um pouco o contrário disso, pois o homem traz dentro de si alguns desejos, algumas vontades que são reprimidas pelo conjunto de leis, mas que quando ele se vê no grupo, quando se vê aliado e identificado com outras pessoas que têm o mesmo objetivo, a mesma identidade, ele se sente livre para agir e colocar para fora o que reprimiu dentro de um contexto social.

Diário – E lá na Penitenciária, o que tem de iniciativas visando a ressocialização daqueles que entraram para a criminalidade?
Diego – Lá dentro da Penitenciária estou há quatro anos e trabalho com as pessoas do regime semiaberto. Iniciei um trabalho com eles em 2012 preparando essas pessoas para a saída. Os questionamentos são sobre se essas pessoas quando saem voltam a cometer outros delitos, o que infelizmente é uma realidade do nosso sistema penitenciário, pois temos uma dificuldade muito grande, seja de estrutura, seja com pessoal, pois temos poucas pessoas para o quantitativo de presos que temos que atender. Mas nós fazemos o possível, nos esforçamos muito e tentamos fazer o melhor ali dentro.

Diário – E sobre outro aspecto doutor, a dependência a drogas que muitos presos desenvolvem?
Diego – Pois é, depois desse trabalho com o pessoal do semiaberto eu desenvolvi um trabalho com aqueles com dependência química também lá dentro, por aproximadamente três ou quatro meses. Agora mais recentemente tenho trabalhado com os presos que progrediram do regime fechado para o semiaberto. Eu trabalho com grupos de pessoas, de 25 a 30 pessoas, fazendo a roda de terapia comunitária, juntamente com assistentes sociais e com outros técnicos, num trabalho integrado, multiprofissional e interdisciplinar com relação à ressocialização.

Diário – Há quem atribua o fato de tantos jovens ingressarem na criminalidade a falta de oportunidades de empregos para essas pessoas. O que o senhor acha disso?
Diego – A gente não pode achar respostas simples para questões complexas. O problema da criminalidade é muito complexo e ele demanda várias soluções, vários meios para se resolver e mesmo assim a gente não tem garantias de resolução. Posso dizer que a questão social, do trabalho e do emprego, de fato tem influencia sim na criminalidade, mas também a falta de educação que nosso Estado e nosso país sofrem, a falta de moradia também, a falta de saúde, esses são tópicos importantes para quando a gente conversa ou a gente discute a questão da criminalidade.

Perfil

Entrevistado - Diego Sousa de Almeida tem 27 anos de idade e nasceu em Belém (PA), filho de pai paraense e mãe amapaense. Diplomou-se em Bacharelado e Licenciatura em Psicologia pela Universidade da Amazônia (Unama), em 2010. Ingressou por concurso público no quadro de psicólogos do Estado do Amapá, sendo atualmente lotado na Coordenadoria de Tratamento Penal, inserido na Unidade de Assistência Social e Psicologia do Complexo Penitenciário do Amapá (Iapen). Diz estar aplicando a tese defendida nos tempos de Academia “A mudança em grupoterapia com base na Gestalt”. Atualmente também está fazendo sua especialização em Saúde Mental pela Universidade Federal do Amapá (Unifap).

Notas da Coluna Argumentos, sábado, dia 16 de abril de 2016.

Impeachment

O Brasil vai parar amanhã para assistir à sessão histórica sobre a abertura ou não de processo de cassação do mandato da presidente Dilma Rousseff. Isso tudo num domingo. Estranho né? Na verdade, a história registra outra votação importante no domingo.

Escravos

A coluna apurou que quando a Câmara dos Deputados ainda se chamada Câmara Geral, no Império, houve uma sessão para aprovar a abolição da escravatura no Brasil. Foi no distante ano de 1888.

Mimo

Em meio à enorme expectativa de uma definição sobre o futuro político da presidente, eis que a bancada do Amapá anuncia um pacote de bondades dela para com o Amapá. Terras da União repassadas ao estado.

Empacou

O próprio presidente Lula veio a Macapá em 2007 e fez festa na Fortaleza de São José para assinar um decreto com esse propósito. O problema é que a reversão das terras não se consolidou pelo Incra. Só isso.

Na rua

Movimentos sociais e organizações não governamentais amapaenses realizarão um ato público no domingo, na Praça do Coco, em apoio ao processo de impedimento da presidente Dilma Rousseff.

Fardo
Ainda sobre algumas pendências do governo federal com o Amapá está essa obra da foto. O aeroporto de Macapá recebeu a Ordem de Serviço número 0001 da primeira gestão de Lula como mandatário do país. Parou ante um dos primeiros escândalos de seu governo, envolvendo a construtora Galtama.

Ao vivo

A atividade será realizada com o apoio de um telão onde será transmitida em tempo real a votação do impeachment na Câmara dos Deputados.  Os organizadores estimam que durante todo o período de votação, que pode entrar pela noite, cerca de 5 mil pessoas passarão pela praça.

Pressão

Após a votação os participantes farão uma carreata pela orla e pelo centro de Macapá para comemorar a possível aprovação do impeachment e criticar os deputados e senadores do Amapá que votarem contra em caso de sua não aprovação. O ato iniciará às 14 horas e continuará até o fim da votação em plenário.

Posição

O fato é que o que foi bombardeado diariamente pela mídia no noticiário dos brasileiros agora pode caminhar para um desfecho. Como a própria Dilma chegou a dizer numa entrevista coletiva, se perder amanhã ela vira “carta fora do baralho”. Mas há quem acredite em virada.

Delta elimina taxas de emissão de passagens e traz economia para consumidores

A Delta Air Lines deixará de cobrar taxas de emissão de passagens para clientes que compram seus bilhetes por telefone pela central de reservas e vendas, pessoalmente nos aeroportos e outros pontos de vendas de passagens.

"É muito mais simples para os nossos clientes não terem que se preocupar se eles vão pagar uma taxa para emissão de bilhetes com a Delta", disse Glen Hauenstein, novo presidente da Delta.

Em 2005, a Delta instituiu uma taxa de emissão de bilhetes de US$ 25 por passagem quando comprado pelo telefone de reservas e vendas e de US$ 35 quando comprado em aeroportos e outros pontos de vendas. Os encargos variam para algumas localidades fora dos Estados Unidos. A Delta não vai cobrar uma taxa para os clientes que comprarem bilhetes no delta.com ou por meio do aplicativo Fly Delta.

"Esta – e cada decisão que tomamos – se baseia no envolvimento com os nossos clientes e funcionários todos os dias", disse Charisse Evans, vice-presidente da Delta de vendas, reservas e atendimento ao cliente. "Ao ouvir, cuidar e se conectar com os nossos clientes, eles estarão cada vez mais próximos de nós cada vez que voarem conosco. Estou extremamente orgulhosa de nossos colegas dedicados, que, juntamente com o apoio de cerca de 80.000 funcionários da Delta em todo o mundo, continuam a elevar o padrão ao exceder as expectativas dos nossos clientes."

Eliminar a taxa de emissão de passagem é o mais recente exemplo do compromisso da empresa em ajudar os clientes e responder a seus comentários antes, durante e depois da sua viagem com a Delta.

A Delta integrou recentemente o serviço de apoio ao cliente @DeltaAssist ao seu canal @Delta para oferecer aos clientes uma experiência perfeita ao se comunicar com a companhia aérea via Twitter. Há quase seis anos, a Delta se tornou a primeira companhia aérea dos Estados Unidos a oferecer suporte ao cliente em tempo real via Twitter por meio do @DeltaAssist, incluindo remarcações, informações de voos, detalhes dos aeroportos e serviços adicionais.

A equipe cresceu de seis funcionários para mais de 40 especialistas com experiência em reservas para prestar assistência em inglês, espanhol, português e japonês.
 

Sobre a Delta
Imagem inline 1
A Delta Air Lines está trabalhando para ser a melhor companhia aérea dos EUA na América Latina e no Caribe. Ela foi homenageada com cinco World Travel Awards em 2015 nas categorias de Principal Companhia Aérea da América do Norte e Principal Companhia Aérea dos Estados Unidos para o Caribe, América Central, América do Sul e México. Conquistas da Delta na região foram também reconhecidas com duas grandes premiações de serviços ao cliente recebidas na edição de 2015 do Latin Trade’s Best of Travel Annual Awards, nas categorias “Melhor Self-Check-In” e “Melhores Refeições e Bebidas” a bordo da cabine Delta One™. A Delta prossegue seu processo de crescimento na América Latina ao estabelecer uma aliança de longo prazo exclusiva com a GOL Linhas Aéreas Inteligentes, Aeroméxico e a Aerolíneas Argentinas, e está comprometida em construir uma forte presença regional para melhorar a sua rede global e oferecer a melhor experiência  dos seus clientes. A Delta disponibiliza serviços para 32 países e 56 destinos na região, oferecendo acima de 1.700 voos semanais entre os EUA e a América Latina/Caribe. A Delta oferece aos seus clientes assistência em tempo real, em espanhol e português, pelo Twitter @ DeltaAssist_ES e @ DeltaAjuda das 9h00 às 19h00. Os clientes brasileiros podem acessar a página do Facebook da Delta dedicada ao Brasil, por meio do link: Facebook/DeltaAirLinesBrasil.

A Delta Air Lines serve a mais de 180 milhões de passageiros por ano. Em 2016, A Delta foi incluída no top 50 da edição 2014 da “Lista de Empresas Mais Admiradas do Mundo” da revista Fortune, bem como nomeada a companhia aérea mais admirada pela quinta vez em seis anos. Além disso, a Delta foi eleita como a empresa aérea número um na pesquisa Business Travel News pelo quinto ano consecutivo, sendo a primeira companhia aérea no topo do ranking. A Delta e as linhas que compõem a Delta Connection oferecem serviços para 324 destinos, em 58 países, em seis continentes. Com sede em Atlanta, a Delta emprega mais de 80.000 pessoas no mundo e opera uma frota com mais de 800 aeronaves. Membro fundador da aliança global SkyTeam, a Delta participa da aliança transatlântica líder da indústria com a Air France-KLM e Alitalia, bem como uma joint venture com a Virgin Atlantic. Incluindo seus parceiros mundiais, a Delta oferece aos seus clientes mais de 15.000 voos diários, com importantes hubs e mercados incluindo Amsterdam, Atlanta, Boston, Detroit, Los Angeles, Minneapolis-St. Paul, Nova York-JFK, Nova York-LaGuardia, Londres-Heathrow, Paris-Charles de Gaulle, Salt Lake City, Seattle e Tokio-Narita. A Delta está investindo bilhões de dólares em aeroportos e produtos, serviços e tecnologia para aprimorar a experiência de viagem de seus clientes no céu e no solo. Mais informações estão disponíveis em Delta News Hub e em site delta.com, no Twitter @DeltaNewsHub, em Google.com/+Delta, em facebook.com/delta e em blog do Delta takingoff.delta.com.

Notas da Coluna Argumentos, sexta-feira, dia 15 de abril de 2016.

Atração

O fim de semana normalmente é sinônimo de um grande esvaziamento de Brasília, cidade-repartição que respira política. Mas este fim de semana promete entrar para a história e a cidade está lotada. Não apenas por políticos e jornalistas, mas acredite, de turistas!

Referência

Sim tem muita gente indo para a capital do país só para assistir ao julgamento do processo de Impeachment da presidente Dilma. E um local virou ‘point’ para as fotos do tipo selfie: o muro da Esplanada.

Paredão

Na verdade o muro é uma cerca de ferro que o GDF mandou instalar por todo o gramado central do Eixo Monumental, para separar manifestantes contra e pró a cassação da mandatária do país.

Segura

A Zamin Ferrous está reassumindo o gerenciamento do Sistema Amapá com muito pé no chão dessa vez. A coluna apurou que serão necessários muitos estudos e negociações com credores e funcionários até a volta.

Estrada

O superintendente do DNIT no Amapá, Fábio Vilarinho, seguiu ontem para a região da Perimetral Norte (BR 210) para avaliar pessoalmente os estragos que as últimas chuvas provocaram naquela região.

Se tem lá...
A joint venture Brazil Manganese Corporation (BMC) bateu recorde na produção de manganês nas minas Rio Madeira e Jaburi, em Espigão D'Oeste, ali em Rondônia. No primeiro trimestre deste ano foram produzidas 2.558 toneladas. Enquanto isso tem manganês entocado no subsolo de Serra do Navio.


Cotas

TRE-AP alerta os partidos políticos e as coligações partidárias sobre a necessidade de observância da cota eleitoral de gênero, que estabelece o preenchimento do mínimo de 30% e máximo de 70% de candidaturas, por sexo, nas Eleições para o Legislativo, tanto federal, estadual ou municipal.  

Rádio

Por falar na Justiça, o juiz Luciano de Assis deu um show de simplicidade e simplicidade ontem em entrevista ao Café com Notícia, pela Diário FM. Colega Márcia Corrêa até sugeriu lançar um livro com as deliciosas histórias e curiosidades da Justiça Itinerante Fluvial. “No fio do bigode”, foi o título sugerido por ela. 

Postos

Números sobre a participação da mulher na politica amapaense. Das 24 cadeiras do Parlamento Estadual, apenas 8 ocupadas por mulheres; já na Câmara Federal, dos 8 deputados, 3 são do sexo feminino. Na Câmara de Macapá, são 18 homens e 5 mulheres. No Estado, três prefeitas. 

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Em nova decisão judicial, mineradora Zamin volta ao controle do Sistema Amapá

Uma nova decisão judicial coloca novamente a mineradora Zamin Ferrous no gerenciamento do chamado Sistema Amapá, projeto de Eike Batista que fora repassado à Anglo American e posteriormente para o indiano Pramod Agarwal. Decisão foi ontem em SP.

A sentença do Juiz de Direito Paulo Furtado de Oliveira Filho, da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais, está publicada no portal do Tribunal de Justiça paulista e tira a investidora Internovia da gestão.


Para entender o caso, a Zamin herdou o sistema parado, com excesso de minério de ferro estocado, desde o desabamento do porto em Santana. Depois, sem vender, passou a demitir, demitir até parar de vez.

A Zamin entrou então com um pedido de recuperação judicial, na justiça de São Paulo, foro de seus maiores credores no Brasil. Mas deixou de cumprir os prazos e condicionantes para permanecer no negócio.

O problema é que uma investidora interessada em assumir as rédeas do negócio chegou a ser habilitada, mas da mesma forma não cumpriu as condições. Restou ao magistrado devolver a titularidade à Zamin.

ABAV-AP lança oficialmente a campanha "Agente.com.você" no Marco Zero

Essa galera animada faz parte de um segmento que busca reagir à crise com criatividade, dedicação e profissionalismo. São agentes de viagem filiados à ABAV-AP, durante festa de lançamento da campanha “agente.com.você” de valorização dos agentes de viagem. Merecido!

Coluna Argumentos, quinta-feira, 14 de abril de 2016

Diálogo

Quase toda a bancada do Amapá deve votar contra o Impeachment de Dilma Rousseff no domingo. Entre os indecisos, André Abdon, do PP, fora chamado ao gabinete de Silvio Costa (PTdoB-PE), que atua como articulador do Planalto para o corpo-a-corpo.

Hi-tech

Da bancada do Amapá, Marcos Reátegui ainda não se decidiu. Ele inova e organiza enquête pela internet para saber a opinião dos eleitores do Amapá, para só depois se decidir para onde ele caminhará.

Interação

Para votar na consulta do parlamentar é só visitar sua Fan page no Facebook. Seu partido, o PSD, decidiu apoiar o Impeachment, mas liberou seus parlamentares para votar conforme suas consciências.

Saúde

A coluna encontrou no aeroporto o deputado Jory Oeiras. Ele acompanha sua esposa Teka no início de tratamento contra um câncer. Espirituoso e Cristão, se disse confiante em uma solução satisfatória. Amém!

Talento

Mas ainda deu tempo de saber de Oeiras sobre as eleições municipais. Vai de Ofiney Sadala em Santana. O concurseiro? Indaguei. E ele. “O único concurso público que ele ainda não passou foi o da urna”.

Estrelas
Agentes de viagem locais deixaram seus afazeres para entrar no estúdio da Agência M2 de Publicidade para gravar um clipe especial que ilustra peças alusivas à campanha “Agente.com.você” que a Abav-AP está lançando. O objetivo é a valorização do agente de viagem e as vantagens dos serviços.

Rádio

Presidente da Companhia Docas de Santana, Eider Pena, confirma presença no próximo sábado em nosso Conexão Brasília. Em pauta, modernização do terminal; outro convidado será o superintendente do DNIT no Amapá, Fábio Vilarinho, que fala dos estragos que as chuvas estão provocando às BR’s.

Posições

O radiofônico também trará uma cobertura especial sobre os preparativos para a votação de domingo na Câmara dos Deputados, quando o futuro de Dilma estará sendo votado. Integrantes da bancada federal do Amapá darão suas opiniões a respeito do rumoroso (e histórico) processo contra a mandatária.

Cultural

Dança e criatividade são as apostas para o mês de abril no Amapá Garden Shopping. O público poderá entrar na dança e aprender um pouco de cada estilo. Na abertura ontem, dança de salão no Praça de Alimentação. No decorrer do mês, Hip Hop, Zumba e Dança Contemporânea.

Trabalhadores-atletas podem se inscrever até o dia 30 para o Torneio do Trabalhador do SESI

O trabalhador da indústria que deseja mostrar seu talento esportivo tem até o dia 30 de abril para se inscrever e participar do Torneio do Trabalhador, promovido pelo Serviço Social da Indústria (SESI).  O evento agita os atletas-trabalhadores e estimula a adoção de um estilo de vida mais saudável. As competições na modalidade de Futebol de 7 Livre, acontecem no período de 2 a 7 de maio, no período noturno, no Centro de Atividades Homero Charles Platon (SESI).

As equipes podem ser formadas por até 16 atletas. Só poderão participar do Torneio, os funcionários que comprovarem seu vínculo e atividade profissional com a empresa. O Congresso Técnico para definir a tabela de jogos será realizado às 18h30, do dia 20, no teatro Leonor Barreto Franco (SESI).

De acordo com a superintendente do SESI, Alyne Vieira, a expectativa é receber cerca de 240 funcionários da indústria. "Trabalhadores ativos têm maior produtividade nas atividades laborais. Ao investir na prática esportiva de seus colaboradores, as empresas têm retorno direto em produtividade e motivação, pois se sente mais disposto para produzir", ressaltou a superintendente.

O coordenador do Torneio, Handerson Silva, ressaltou que o esporte é um dos pilares da atuação do SESI junto às indústrias. “Nosso intuito é contribuir para a melhoria da qualidade de vida por meio da prática de atividades físicas, fator que reflete nodesenvolvimento de ambientes de trabalho mais agradáveis Além disso, o esporte dissemina valores que podem ser aplicados no dia a dia, tais como: respeito, comprometimento e espírito de equipe”, frisou o coordenador.

O atleta deve se inscrever na empresa em que trabalha. Informações pelo fone: 3084-8932.

Notas da Coluna Argumentos, quarta-feira, dia 13 de abril de 2016

Separação

Com direito a reedição do muro – não o de Berlim, mas o de Brasília – a capital federal se prepara para um embate histórico no próximo domingo, quando a Câmara dos Deputados decide por afastar ou não a presidente. A Esplanada dos Ministério será o palco.

Paredão

Essa história do muro na verdade é uma cerca de metal que foi instalada pela Secretaria de Segurança Pública do DF para separar manifestantes pró e contra o Impeachment de Dilma Rousseff.


Bloco

A coluna passou dois dias no Congresso Nacional e apurou que da atual bancada de deputados do Amapá a maioria vota contra a abertura do processo de cassação da presidente da República.

Balança

Escolhido vice-líder do governo na Câmara, o deputado Roberto Góes (PDT) revelou à coluna que a postura é também em defesa do estado do Amapá, pois um pacote de demandas poderá ser atendido com o apoio.

Dúvida

Da bancada tucuju, o deputado André Abdon (PP) se declarou ainda indefinido, e rechaçou que obederá orientação. “Não votarei com a bancada, mas com minha consciência”, declarou ele ao colunista. 

Viagem
O deputado Cabuçu foi à Cidade do Panamá compondo bancada do Brasil no encontro do Parlatino, o Parlamento da América Latina (foto). Mas voltou a tempo de ainda participar das reuniões visando a votação do Impeachment de Dilma no próximo domingo. Ele se declarou contra a retirada da mandatária.

Especiais

Nosso TRE-AP informa aos eleitores com necessidades especiais e necessitam de atendimento diferenciado no dia da votação, que o prazo de transferência para Seção Eleitoral Especial encerrará em 4 de maio, data do fechamento do cadastro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Coisa nossa

Cerca de 150 alunos do Ensino Fundamental da Educação de Jovens e Adultos do SESI de Santana visitaram o Monumento Marco Zero do Equador. Na ocasião, participaram de palestras monitoradas e conheceram em detalhes como acontece o Equinócio. Eis uma excelente iniciativa. Turismo interno isso.


Economia

Coincidência ou não, o mercado reage bem ante a possibilidade do Impeachment. O dólar segue caindo. E aqui no Amapá, na comparação de janeiro com fevereiro de 2016, o volume de vendas no comércio varejista apresentou alta de 1,4% na série ajustada sazonalmente.

Notícias do Turismo: Expo Internacional de Turismo já tem 83% de reservas

Mais tecnológica e interativa, a edição terá o foco ancorado em três fortes segmentos – Corporativo, Mice e Lazer
44ª ABAV Expo já conta com 83% de espaço reservado 

A 44ª ABAV – Expo Internacional de Turismo já começou com oportunidades para os visitantes, antes mesmo de sua abertura. O evento, que este ano acontece no Expo Center Norte, de 28 a 30 de setembro, já conta com 83% de seu espaço reservado por empresas dos mais variados segmentos do setor, demonstrando clara confiança dos expositores nas oportunidades do mercado que anualmente se reúne na feira.
"O objetivo da ABAV Expo nesta edição é ser o divisor de águas entre a crise instaurada no país e as oportunidades originadas pelo turismo. O interesse antecipado pelo evento revela a expectativa do setor por um segundo semestre menos instável que o primeiro, iniciando com os resultados da movimentação gerada pelos Jogos Olímpicos Rio 2016", ressalta Edmar Bull, presidente da ABAV Nacional.
Com uma excelente infraestrutura e maturidade no universo das feiras internacionais, a 44ª ABAV Expo se apresentará este ano ancorada em três fortes segmentos – Corporativo, MICE (Meetings, Incentives, Conferences and Exhibitions) e Lazer. Para auxiliar na intermediação entre expositores, co-expositores e visitantes – incluindo hosted buyers nacionais e internacionais – a 44ª ABAV Expo investe em ferramentas e sistemas tecnológicos que estarão disponíveis pré e durante todo o evento, proporcionando acesso rápido e fácil à lista de empresas e cooperados por segmento.

Notas da Coluna Argumentos, terça-feira, dia 12 de abril de 2016

Planalto

A coluna desembarca em Brasília, para acompanhar um momento que se propõe a ser histórico. Ou não! Sim, pois embora a voz rouca das ruas apoie o fim do governo Dilma, nos bastidores é grande a desconfiança de uma gorda e saborosa pizza esteja no forno.

Militantes

O fato é que já na chegada à capital, ainda no aeroporto, militantes pró e contra o Impeachment, toma conta do saguão, com farto (e caro) material publicitário. Faixa de tecido? Que nada, modernos banners.

Figura

Aí no caminho para o hotel, o taxista falante é de um enorme poder de síntese para avaliar: “O país parou”; E, de fato, Brasília e o Congresso Nacional respira o processo que poderá afastar Dilma já no domingo.

Tribunos

Ouvindo por horas a programação da TV Câmara, que nestes dias bate recorde de audiência por aqui (ainda estou em Brasília), a gente vê bons oradores tanto de um lado como de outro. Fazer juízo fica difícil.

Baixa

Quem passou por Brasília e teria contraído a gripe H1N1 foi o presidente dos taxistas de Macapá, Risonilson Barros, que agora está em São Paulo, sendo isolado para um diagnóstico mais seguro. Força aí!

Imprensa
O histórico jornal Correio Braziliense, primeiro jornal do país, publicou ontem essa capa emblemática , com a cronologia do drama de Dilma Rousseff em guerra contra o Congresso Nacional. A propósito, o primeiro jornal impresso aqui foi a Gazeta do Rio de Janeiro. O Correio era impresso em Londres, mas brazuca.

Lutador

O presidente da Ong Amo Serra, Rivaldo Ataíde, acaba de adquirir uma escola na zona rural do município. Diz ser esse um sonho de infância que faz planos para colocar em prática. Ele se intitula ambientalista, trava uma batalha pela proteção à natureza daquele lugar que outrora foi vila modelo.

Fogo

Entre os dias 16 de junho e 22 de junho a tocha olímpica percorrerá quatro estados do Norte: Amapá, Acre, Roraima e Rondônia, sendo que em cada um deles pernoitará na capital. Devido as grandes distâncias percorridas nos estados da região Norte, a tocha viajará de avião, num trajeto de 10 mil milhas.

Locações

Entre os locais que os organizadores chamam de “inusitados” que a chama deve visitar estão a linha que divide o hemisfério Norte e Sul no Macapá, até a estrada de ferro Madeira-Mamoré, que foi construída por americanos e usada no transporte de borracha no passado.

Bacharéis de Turismo do Amapá felicitam mestre Mário Beni por aniversário

Página curtida 
 
A Associação Brasileira de Turismólogos e Profissionais de Turismo - ABBTUR/AP, em nome de seus membros, têm a honra de parabenizar aquele que dispensa comentários no setor, referência na formação de qualquer Turismólogo, ou simplesmente, a maior personalidade do turismo, Professor Mário Carlos Beni, nossos parabéns! —  comemorando este dia especial com Mario Beni e Mario Beni.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Ministério confirma passagem da Tocha Olímpica pelo Marco Zero do Equador

Amapá, Acre, Roraima e Rondônia serão os estados percorridos durante um trajeto de 10 mil milhas aéreas

Carolina Valadares, Ministério do Turismo

Entre os dias 16 de junho e 22 de junho a tocha olímpica percorrerá quatro estados: Amapá, Acre, Roraima e Rondônia, sendo que em cada um deles pernoitará na capital. Devido as grandes distâncias percorridas nos estados da região Norte, a tocha viajará de avião, num trajeto de 10 mil milhas. Entre os locais inusitados que a chama deve visitar estão a linha que divide o hemisfério Norte e Sul no Macapá, uma comunidade Ribeirinha em Porto Velho chamada São Sebastião e até pela estrada de ferro Madeira-Mamoré, que foi construída por americanos e usada no transporte de borracha no passado.
No dia 16 a tocha estará em Macapá, capital do Amapá.  A cidade tem como um de seus atrativos o Marco Zero, onde é possível colocar um pé em cada hemisfério – norte e sul. No centro, a Fortaleza de São José do Macapá, de 1782, exibe muralhas de 15 metros de altura erguidas para proteger o rio. Entre outras atrações por onde a tocha deve passar estão o balneário e APA da Fazendinha, APA do Curiaú e o Sambódromo.
O Amapá tem diversos outros locais para conhecer. Segundo a jornalista Valéria Feitoza, que morou no Macapá, a diversão preferida dos amapaenses nos finais de semana é ir para balneários, passar o dia e tomar banho nos igarapés e cachoeiras.
Do Macapá, a tocha segue para a capital de Roraima, Boa Vista, em 18 de junho, onde também pernoitará. Boa Vista possui uma orla agradável chamada Taumanã, às margens do Rio Branco, onde é possível provar a culinária local como a damurida  -  elaborada com caldo de peixe, tucupi e pimenta, a paçoca com banana - e fazer compras de artesanato. Estando em Roraima, aproveite para conhecer o Parque Nacional do Monte Roraima, cujo acesso é feito pela Venezuela e é tido como um local mágico com grandes paredões, cachoeiras, lagos, formações rochosas e espécies endêmicas da fauna e da flora.
De Boa Vista, a tocha segue para Rio Branco, no Acre, onde estará no dia 21 de junho. Na capital, o parque Ambiental Chico Mendes é um dos principais atrativos. O local inclui um zoológico, um museu da borracha, um parque que valoriza a cultura de ribeirinhos e a Casa do Artesão, com doces e artesanato de sementes.  Para degustar a culinária acreana, o Mercado Velho serve pratos típicos.
O Palácio Rio Branco, o Memorial dos Autonomistas, o Calçadão da Gameleira, com bares e restaurantes e o Theatro Hélio Melo são importantes atrativos turísticos por onde a tocha vai passar.
No dia seguinte (22 de junho) a chama passa a noite em Porto Velho (Rondônia), onde a história está ligada à construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, hoje tombada como patrimônio cultural. Entre as atrações que a tocha deve visitar em Porto Velho estão a comunidade ribeirinha de São Sebastião, o centro histórico, e a estrada de ferro Madeira-Mamoré.
O turista que for a Porto Velho pode ver botos e contemplar a vegetação local em passeios de barco pelos rios da região. O Rio Guaporé é o principal cenário de pesca esportiva. Porto Velho propicia também contato com o artesanato do estado, com cestaria de palhas e fibras vegetais, peças de madeira, arcos, flechas, chocalhos e outros artefatos indígenas. À mesa, predominam os peixes: a caldeirada de tambaqui e o dourado na brasa são legítimos representantes da culinária local. Durante a passagem da tocha serão feitas  manifestações culturais: de grupos folclóricos, tais como Quadrilha e Boi Bumbá.