Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura e política.

PUBLICIDADE

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Magistrados e servidores participam de palestra sobre política de segurança da informação

O evento teve por objetivo informar magistrados e servidores sobre segurança digital corporativa envolvendo os princípios básicos em segurança da informação e proteção adequada aos dados institucionais e a importância da participação efetiva na elaboração da política de segurança, fomentando o manuseio seguro, correto, protegido e acautelado das informações da Justiça do Amapá. 
SEGURANÇA 17





A palestra foi ministrada pelo servidor Francisco Boa Barbosa Júnior, tecnólogo em redes de computadores, especialista em segurança de sistemas, gerente de segurança da unidade de informação do Tribunal de Justiça do Amapá com experiência na área de rede de computadores, configuração e administração de servidores e serviços de redes sob plataformas livres e proprietárias, com ênfase em segurança da informação.
Na oportunidade foram esclarecidos os pontos quanto à elaboração do plano sobre política de segurança institucional que consiste em identificar e mapear os motivadores de um ataque cibernético, impacto institucional em caso de incidentes de segurança; principais estratégias de defesa, aplicações utilizadas na proteção dos dados, backup e aumento da disponibilidade e utilização segura de recursos computacionais; bem ainda as ações seguras em ambientes corporativos e a cultura “mesa limpa, tela limpa”.
SEGURANÇA 31A Diretora do Fórum da Comarca de Macapá, juíza Alaíde Maria de Paula, destacou a importância da palestra e os cuidados que devem ser adotados pelos magistrados e servidores para evitar os riscos de ataques cibernéticos.
“A palestra serviu para mostrar a todos a responsabilidade que devemos ter com dados que inserimos em nossos computadores institucionais e pessoais. Devemos ter um cuidado maior com nossos terminais para evitarmos transtornos. Não abrir nada que seja desconhecido, que pode trazer algum risco às informações de caráter sigilosas e nunca deixar o computador com a tela aberta ao sair do ambiente de trabalho”, disse.
SEGURANÇA 41O juiz Luciano Assis ressaltou que o encontro serviu para tirar dúvidas dos magistrados e dos servidores sobre os cuidados que devem ser tomados, além da preocupação da administração do Tribunal de Justiça de aprimorar a política de segurança na informática para implementar as diretrizes do Conselho Nacional de Justiça.
“O Tribunal de Justiça do Amapá é um dos mais bem equipados do país e possui um sistema seguro. Essa palestra demonstra a preocupação grande que a presidência tem com informações armazenadas nos seus bancos de dados. As orientações que foram repassadas servirão para ampliarmos o conhecimento sobre os cuidados necessários que devemos ter para segurança dessas informações, e, ainda, observarmos as diretrizes que preconizam o CNJ”, frisou.
SEGURANÇA 12O Conselho Nacional de Justiça estabelece diretrizes para segurança da informação, bem como ações de nivelamento de Tecnologia da Informação e Comunicação no que pertine à infraestrutura e à capacitação em disciplinas endereçadas para melhorar a Governança de TIC nos tribunais.

Notas da coluna ARGUMENTOS, sexta-feira, dia 12 de agosto de 2016.

Mexidas

Conforme havia dito, o governador Waldez segue promovendo ajustes no secretariado. A secretária de Estado da Administração, Maria Goreth Sousa, assumirá a Secretaria de Estado da Educação (Seed). Pasta ocupada pela professora Conceição Medeiros.

Trocas

As posses dos novos titulares será nesta sexta-feira. A secretária Adjunta de Administração, Suelem Amoras Furtado, servidora pública de carreira, será a titular da Secretaria de Estado da Administração (Sead).

Pecuária

A presidência da Agência Defesa e Inspeção Agropecuária do Amapá (Diagro) será ocupada pelo médico veterinário e servidor público, José Renato Ribeiro. Pasta antes ocupada por Otacílio Barbosa.

Militares

O comando geral do Corpo de Bombeiros será conduzido pelo coronel Wagner Coelho Pereira, que ocupava a função de subcomandante. Ele assume a vaga antes ocupada pelo coronel Marcelo Magno Bispo.

Agressão

Juristas saem em defesa do Hino Nacional Brasileiro, que vem sendo adulterado no cerimonial das Olimpíadas do Rio. É para economizar tempo, alega o comitê organizador. Faltou combinar com o público.

Terras
O Exército Brasileiro assumirá a condução dos trabalhos de regularização fundiária, no processo de transferência de terras da União para o Amapá. A decisão foi anunciada nesta reunião com parlamentares, Senado, Exército, Embrapa, Sebrae, Unifap,  Incra, IBGE, entre outras.

Disfarça

Teve mais notícia ruim a respeitos nos jogos. Primeiro os ataques a jornalistas e até policiais da Força Nacional. Depois aquela água verde das piscinas do Centro Aquático Maria Lenk, onde ocorrem as provas de saltos ornamentais e também o polo aquático. É inadmissível para Olimpíada.

Gastronomia

Neste sábado, os aromas e sabores da gastronomia Italiana irão invadir a praça de alimentação do Garden Shopping. O Chef Orazio Cattani estará no empreendimento para uma aula show. Na ocasião, Cattani fará um passo-a-passo de receitas típicas da Itália, além de ensinar técnicas básicas da cozinha internacional.

Visita

O secretário de Inovação do Ministério da Industria e Comércio, Rafael Moreira, e o superintendente adjunto de Planejamento Regional da Suframa, Marcelo Pereira, estão cumprindo agenda no Amapá, onde conhecem de perto o potencial econômico do Estado.


Notas da coluna ARGUMENTOS, quinta-feira, 11 de agosto de 2016.

Cadeiras

As eleições deste ano seguem provocando novas composições no Setentrião, que mexe pedras do tabuleiro político e rearruma equipe de governo. Mudanças no secretariado serão anunciadas de hoje para amanhã, segundo a rádio cipó que erradia informações.

Universidade

Acadêmicos da Unifap voltaram às aulas e reencontraram velhos problemas. Como a escuridão no Campi de Macapá, onde já houve registros de assaltos, furtos e até estupros. Que algo seja feito então.

Ressaca

Por falar nisso (volta às aulas) duas colegas se falam pelo zap zap sobre a ausência de uma ao segundo semestre. “Estou doente amiga”; E a outra, que viu as redes sociais dela dispara: “Reza: sai álcool desse corpo”.

Urbano

A principal via do Infraero 2, a Carlos Lins Cortez, já precisa de reparos. Assim como a Av. das Bacabas que a prefeitura recapeou, mas deixou um bom pedaço de asfalto velho. Que está todo arrebentado.

Tecnologia

A Estácio se conecta com as novas formas de educação superior e implanta as disciplinas online. Para os acadêmicos que trabalham é uma boa, pois podem fazer seus horários e estudar pela internet.

Inseguro
Estamos na chamada alta temporada, quando mais se viaja de avião pelo país. Então é mais do que oportuno dar uma conferida nas dicas de segurança nos aeroportos, onde os malacos arrumam toda sorte de modalidade para cometer furtos. As dicas estão no Blog do Cleber Barbosa.

Piada

Já que estamos na vibe do humor veja o diálogo de dois soldados. “O certo é os pessoal”; O outro rebate: “Não, é o pessoais”. Aí passa um cabo antigo, coitado, mal terminou o ensino fundamental, que foi instado a esclarecer a dúvida. “Os dois estão corretos, mas um está no singular e outro no plural”.

Mercado

A Estácio se conecta com as novas formas de educação superior e implanta as disciplinas online. Para os acadêmicos que trabalham é uma boa, pois podem fazer seus horários e estudar pela internet. A nota ruim disso é que alguns postos de trabalho para educadores foram fechados. Pelo menos 16 professores.

Federal

O deputado Vinícius Gurgel bem que tentou transferir o antigo prédio da Polícia Federal para abrigar um quartel da PM, mas não vingou. Aí ele conseguiu que a representação local do DNIT passasse a ocupar o imóvel. Até então a Superintendência vivia de favor no prédio da Setrap.


quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Notas da coluna ARGUMENTOS, quarta-feira, dia 10 de agosto de 2016.

Figuraça

O ator Aílton Graça, da Globo, visitou Macapá em 2005 para pagar uma promessa. Subir ao palco e dançar com Alcione. Ela cantava a música “Meu ébano”, tema do personagem dele na novela América. Agora ele faz planos para visitar Macapá novamente.

Beiradas

O ex candidato a governador Bruno Mineiro confirmou mesmo que não disputa a eleição deste ano para prefeito de sua cidade, Tartarugalzinho. Sobre retomar o projeto ao Setentrião desconversa. Mira o Parlamento Estadual.

Terras

O empresário Iraçu Colares, que é um dos dirigentes da Associação dos Pecuaristas, diz estar acompanhando de perto o processo e as discussões em torno da reversão das terras da União. “Um recomeço”, diz.

Humor

Ontem troquei o nome da seleção que empatou com o Brasil nas Olimpíadas. Foi o Iraque e não o Irã. Mas também aprendi uma piada nova sobre aquela partida: “A seleção do Iraque empatou com a seleção de araque”.

Revendo

Depois de haver revelado desejo de disputar o Senado em 2018, o deputado Vinícius Gurgel admite já ter desistido da ideia. Será novamente candidato à Câmara dos Deputados, postulante ao terceiro mandato.

Asfalto

Titular da Setrap, Jorge Amanajás, comandou ontem trabalhos de pavimentação dos acessos da ponte do Matapi, que entra em fase final de construção. A obra tem previsão para ser entregue oficialmente ao tráfego até o fim do ano segundo o secretário. Povão agradece.

Espetando

O curioso foi ver ontem a nota do Setentrião a respeito da ponte do Matapi. O palácio reforça que o projeto foi iniciado em 2010, deixado pronto e com recurso em caixa para ser executado já na gestão do ex-governador Camilo Capiberibe. “Porém a obra só foi iniciada em 2013”, diz o GEA.

Mote

O empreendimento visa fortalecer o eixo de integração econômica das áreas metropolitanas de Mazagão, Macapá e Santana, que está sendo planejado pelo Governo do Estado. A ponte será rota de escoamento da produção familiar e potencializará a área industrial localizada às margens do Rio Matapi.


Números

A edificação tem 612 metros de comprimento. O projeto é composto por cinco vãos de 38 metros. Três ficarão posicionados no lado de Santana e dois em Mazagão. O vão central, que vai permitir navegação embaixo da ponte, tem 50 metros de largura por 25 metros de altura.

Notas da coluna ARGUMENTOS, terça-feira, dia 09 de agosto de 2016.

Emoção

Você se emociona com facilidade? E nessas Olimpíadas, tem derramado alguma lágrima? Pois é, tem muita gente sucumbido às lágrimas nessa aventura brasileira de sediar os jogos. Felizmente a emoção é coisa boa e até os médicos dizem fazer bem.

Controle

A ressalva que os especialistas fazem é para os cardiopatas, ou seja, pessoas que tem alguma doença do coração. No mais, dar vazão ao choro é bom pois as pessoas que seguram emoções adoecem mais, sabia?

Conceitos

Nas Olimpíadas de 1984, foi quando vi pela primeira vez meu pai chorar. Logo ele, o cara mais durão que eu conhecia. Foi pelo brasileiro Joaquim Cruz, ouro nos 800 metros, e por Gabrielle Andersen, na maratona.

Empatia

O grande barato das olimpíadas é ver atletas que se entregam, se arrebentam pelo chamado espírito olímpico, coisa que os medalhões do futebol brasileiro parece não saber do que se trata. Reclamação tá geral.

Neymar

E o cordão dos descontentes foi puxado exatamente pelo narrador Galvão Bueno, tido e havido como um animador de transmissões. “Cadê o capitão dessa seleção?”, indagava ele no jogo contra o Irã.

Mercado

A turismóloga Lara Santos (foto) foi uma das especialistas ouvidas pela Revista Diário para explicar os efeitos da redução da malha aérea do Brasil em toda a chamada cadeia produtiva do turismo. A reportagem de duas páginas está na edição deste mês da revista. Compre a sua logo!

Estrada

O governo do estado formalizou ao DNIT proposta para a duplicação da rodovia Duca Serra. O argumento foi de que essa via dá acesso ao porto de Santana, portanto a estratégia é federalizar o ramal do Km 09 da BR 210 até Santana. Em contrapartida, o GEA se compromete com a duplicação urbana.

Brasília

O governador Waldez,  acompanhado do deputado federal Vinícius Gurgel, foi recebido pelo diretor-geral do DNIT, Valter Casimiro Silveira, que acenou positivamente para a proposta. Com isso, as obras de duplicação da BR-210, entre o Quilômetro 9 e o Porto de Santana, entram na pauta da autarquia.

Asfalto

Na reunião, também foram tratados outros dois temas importantes para o estado: a elaboração do processo de licitação de dois trechos da BR-156 Norte e a liberação de recursos para a manutenção de várias rodovias no estado, após a celebração de acordos com o DNIT.


Dicas de segurança para evitar assaltos e roubos em rodoviárias e aeroportos

Câmeras de segurança flagraram roubos de bagagem em um dos principais aeroportos do país. Os assaltantes aproveitaram momentos de distração na hora do check-in e enquanto as pessoas se alimentavam em cafés e praças de alimentação.  
Niv Yossef, especialista em segurança e gerente de projetos do GRUPO GR, uma das maiores empresas de segurança patrimonial de atuação nacional, desenvolveu algumas dicas importantes para evitar esse tipo de ocorrência.

- Normalmente as malas são muitas, então, não as perca de vista nem por um minuto.
- Cuidado com homens ou mulheres que se aproximam para fazer perguntas ou auxiliar para tirar fotos em família. O ato pode ter como objetivo apenas provocar sua distração e realizar o roubo de objetos. Fale sem deixar de vigiar sua bagagem.
- Procure trocar o dinheiro somente em casas de câmbio ou bancos autorizados e, se possível, não o faça nas rodoviárias ou aeroportos.
 - Utilize somente táxis credenciados.
- Não exiba grandes quantidades de dinheiro, tablets, relógio ou joias, pois despertam a atenção e o interesse dos ladrões.
- Evite carregar passaporte e cheques de viagem, e em caso de extravio comunique imediatamente a polícia.
- Use etiquetas grandes e/ou coloridas que permitam a fácil identificação de suas malas nas esteiras ou balcões de entrega, evitando assim a perda dos seus pertences ou lhe traga facilidade para identificá-los, caso tenha perdido.
 - Não se descuide das bagagens de mão dentro do ônibus ou avião, fique sempre atento.
- Não deixe a bolsa, carteira ou pacotes em locais abertos ao público sem a devida vigilância.
- Ao parar para se alimentar nunca fique de costas para sua bagagem.
- Evite fazer compras estando sozinho (a), os meliantes aproveitam-se de qualquer descuido.
- Não entre em lojas muito cheias, procure fazer compras em horário de menor movimento, isso vale também para ida ao banco.
- Em ônibus com poucos passageiros prefira ficar próximo ao motorista ou ao cobrador.


- Se estiver com crianças: alerta dobrado! Elas costumam ficar impacientes enquanto esperam e a qualquer descuido do responsável elas podem se perder ou mesmo serem sequestradas.

Sobre o GRUPO GR
O GRUPO GR é hoje uma das empresas mais consolidadas no setor de segurança privada e terceirização de serviços. Com 24 anos de atuação e presente em 15 Estados, o GRUPO GR tem um sistema rigoroso de treinamento (teórico, físico e comportamental) que envolve técnicas de aperfeiçoamento operacional, postura e comportamento, modernos conceitos, treinamento nas áreas de segurança, portaria, recepção e limpeza.
Seu principal objetivo está em oferecer soluções customizadas e integradas que aumentem a produtividade e reduzam custos. A empresa promove a capacitação e a reciclagem permanente de seus funcionários, também instruídos através de simulações variadas para solucionar uma tentativa de assalto ou invasão, situações atípicas como ocorrências e possíveis falhas na segurança (equipamentos e fator humano) e procedimentos em casos de emergência.
Além disso, conta também com serviços de Segurança Eletrônica, sempre atenta às novas tecnologias de prevenção e proteção de pessoas e patrimônios.
Com mais de 1.100 clientes ativos e  milhares de colaboradores, o GRUPO GR é referência em seu setor de atuação, atendendo com eficácia condomínios (residenciais e comerciais), indústrias, shoppings centers, instituições de ensino, hospitais e clínicas médicas, e empresas de diversos portes e segmentos.
Em 2015, o GRUPO GR conquistou o Top of Mind de RH, um grande reconhecimento nacional dos gestores de RH de grandes empresas, para  as práticas e capacitação dos colaboradores da companhia.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Novas regras facilitarão a obtenção de dupla cidadania em 112 países

Medida reduz o tempo de legalização de documentos públicos a serem utilizados em outros países

A partir do dia 15 de agosto, vai ficar mais fácil validar documentos brasileiros no exterior. Nessa data, entra em vigor no Brasil a Convenção da Apostila de Haia, acordo internacional que agiliza a tramitação de documentos entre 112 países e a obtenção de outra nacionalidade. Inicialmente, a validação só será feita por cartórios das capitais e no Distrito Federal, com previsão de chegar a todas as cidades até o fim do ano.

Hoje, para um documento público ser válido no exterior - como certidão de nascimento, diploma universitário ou antecedente criminal, por exemplo - é preciso submetê-lo a uma série de burocracias. A pessoa física ou jurídica precisa fazer uma tradução juramentada, reconhecer firma em cartório, autenticar no Ministério das Relações Exteriores (MRE) e reconhecer a autenticação em uma embaixada ou consulado do país estrangeiro. A pessoa é obrigada a circular por várias repartições. O processo pode levar meses.

Com as novas regras, será preciso apenas fazer o apostilamento em um cartório comum, eliminando as etapas consulares. O procedimento vai custar R$ 97,73 em São Paulo. A depender das exigências do país de destino, ainda será preciso traduzir os documentos. 

"Legalizar um documento no Brasil levava muito tempo, em alguns casos até meses. Com a mudança, deve encurtar bastante, desburocratizando a vida do cidadão", afirma Andrey Guimarães Duarte, presidente do Colégio Notarial de São Paulo, entidade que congrega os cartórios de notas paulistas.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) preparou uma cartilha sobre a Apostila de Haia. Para eventuais dúvidas é só acessar: http://goo.gl/dUmgx7.

O que é o Colégio Notarial do Brasil – Seção São Paulo
O Colégio Notarial do Brasil – Seção São Paulo é uma das mais antigas entidades representativas da atividade de cartórios no Brasil. Fundado em 1951, o CNB/SP se concentra na busca do idealismo e do enfrentamento de questões relativas à classe notarial, sem se descuidar do cumprimento de sua função social e da compreensão da importância da atividade notarial pela sociedade. Para saber mais: www.cnbsp.org.br.

Hotéis oferecem tarifas diferenciadas para visitantes e expositores da ABAV Expo

O portal da 44ª Abav Expo Internacional de Turismo & 46º Encontro Comercial Braztoa já disponibiliza a relação inicial dos hotéis parceiros que manterão tarifas diferenciadas aos visitantes e expositores localizados fora da capital paulista.  
A listagem pode ser acessada em http://www.abavexpo.com.br/hospedagem/ e as solicitações devem ser encaminhadas para o e-mail reservas@abavexpo.com.br.
Para se habilitar a obter as reservas com desconto, os interessados devem credenciar-se previamente, pelo mesmo endereço do portal da feira – www.abavexpo.com.br.  Basta acessar a aba de inscrições, preencher o cadastro com seus dados e aguardar a aprovação da inscrição. A credencial será enviada diretamente para o e-mail indicado na ficha cadastral. Associados à ABAV têm direito, ainda, a cinco ADs 90 por CNPJ.
A 44ª ABAV Expo Internacional de Turismo & 46º Encontro Comercial Braztoa se realizará de 28 a 30 de setembro, este ano em novo endereço – o Expo Center Norte.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Ensino online é alternativa para universitários conciliarem trabalho e estudos

Nos dias de hoje, em que é necessário estudar e trabalhar, a falta de tempo faz com que muitos adultos deixem de frequentar o ensino superior. Os que não desistem, já que o mercado de trabalho exige pessoas com formação universitária, sofrem com a grande quantidade de tarefas. Quem trabalha durante o dia todo e, às vezes, precisa passar do horário no serviço, tem prejuízos. É comum deixar de entregar uma atividade acadêmica e/ou tirar uma nota baixa, o que gera, muitas vezes, reprovação.
            Pensando nas dificuldades que o aluno tem durante o semestre, a Estácio implantou o Recuperação nas Férias. O programa, que acontece apenas nas férias acadêmicas (julho e janeiro), dá uma segunda chance ao estudante, permitindo que ele curse duas disciplinas em que tenha sido reprovado no semestre letivo anterior. O Recuperação nas Férias é totalmente online e o aluno pode assistir às aulas no horário e local de sua preferência. Apenas a prova final é agendada e deve ser realizada na faculdade.  Com isso, é possível aproveitar o período das férias para estudar em casa, recuperar a nota e voltar a cursar o semestre seguinte livre de dependências.
            Camille Monteiro, acadêmica do curso de Direito, foi uma das beneficiadas pelo programa. Para ela, essa é uma grande oportunidade para os alunos que são muito ocupados e não têm muito tempo para se dedicar aos estudos. “Eu adorei essa oportunidade que estamos tendo, para mim que trabalho e estudo é ótimo, pois posso estudar em casa, no horário que eu chego”, comenta a estudante. 
            Delsiane Marques, do curso de Enfermagem, diz que a ferramenta online facilita a vida do estudante. ”Tenho mais autonomia para estudar pela Internet, além de fazer meu horário, ainda posso tirar as dúvidas na hora que eu precisar, facilitando a vida de quem está fazendo a recuperação”, resume a aluna.
            Aproximadamente mil estudantes das Faculdades Estácio de Macapá e Estácio do Amapá se inscreveram para fazer o Recuperação nas Férias. Para a diretora do Núcleo Estácio no Amapá, Aline Búrigo, “as disciplinas online estão alinhadas à velocidade e flexibilidade presentes no mercado de trabalho atual e permitem ao aluno realizar a disciplina de forma dinâmica e integral. Uma ótima oportunidade de aprender ganhando tempo”, enfatiza a diretora.
            Disciplinas online -  o Grupo Estácio entende o contexto atual e se alinha ao que o resto do mundo já realiza: o uso das tecnologias digitais de informação e comunicação como ferramenta de ensino. Além do Recuperação nas Férias, as duas faculdades do Grupo, aqui no estado, estão implantando, neste semestre, as disciplinas online.
            A implantação obedece às regras do Ministério da Educação, que estabelece que até 20% das disciplinas de um curso presencial podem ser virtuais. Ou seja, os cursos presenciais da Estácio no Amapá passam a ter algumas disciplinas via Internet. A intenção é atender às demandas do estudante da atualidade, mantendo uma educação de qualidade.

Notas da coluna ARGUMENTOS, domingo e segunda-feira, 07 e 08.08.2016

Valor

A repercussão mundial da belíssima festa de abertura das Olimpíadas Rio 2016 é algo que está enchendo a nossa bola. Isso é tocante, pois nos últimos tempos o noticiário a nosso respeito vinha sendo muito negativo, com mazelas sendo desnudadas em público.

Ligada

A candidata a prefeita Aline Gurgel envia mensagem à coluna para elogiar a nova edição da Revista Diário, em especial reportagem assinada pelo colunista com a entrevista do pesquisador Alberto Tostes, onde identifica os principais gargalos das administrações municipais.

Zelo

Já o atual prefeito, Clécio, recomenda todo zelo possível à sua assessoria de comunicação. É que pelas regras da eleição os candidatos à reeleição são proibidos de fazer publicidade institucional. Cortou até releases.

Aspirante

João Alvarenga, do Sebrae, finalmente admite o que a coluna havia observado. Ele “limpou” o sotaque gaúcho com ajuda de fonoaudióloga. Só não disse se isso tem a ver com algum projeto político. Bom nome ele é.

Comerciários

É preciso reconhecer que o setor do comércio local é organizado. Ontem, por exemplo, o Sesc fez uma bela festa de inauguração da nova unidade do centro, com restaurante e até piscina para os associados.

No estúdio
Aspecto do nosso programa Conexão Brasília de ontem, com convidados ilustres como o cantor e compositor Osmar Júnior, o superintendente do Sebrae, João Carlos Alvarenga e o deputado federal Cabuçu Borges. O jornalístico inicia a contagem para aniversário de 10 anos.

Rádio

A professora Catarina Moutinho, uma das mais respeitadas especialistas em língua portuguesa no Amapá, estará no próximo Conexão Brasília, na Diário FM. É para falar a respeito dos ajustes na língua falada aqui e também daquilo que vai ao ar nas campanhas: a retórica dos políticos.

Fica feio

Para se ter uma ideia dos temas a serem tratados com a educadora, no rádio, estão os chamado “micromarcadores”, uma espécie de porto seguro que os oradores usam para sustentar o discurso. O uso deles, mesmo que involuntário, é muito comum e cá pra nós, provoca uma poluição sonora. Um ruído, como se diz.

Exemplos

Por aqui, no Amapá, um político que ficou marcado por essa prática foi Barcellos. De tanto usar a expressão “efetivamente” adotou em campanha. Milhomen ia de “naturalmente”; Michel JK de “verdadeiramente”; Dalva e Camilo, abrem qualquer resposta com o famoso “então”.


PONTE BINACIONAL | Itamaraty coloca Amapá na agenda diplomática

Novo chanceler do Brasil, ministro José Serra, recebe delegação suprapartidária e interinstitucional para ratificar compromisso de inaugurar a ponte binacional
À MESA - Em Brasília, encontro entre o novo titular do Itamaraty e lideranças políticas do Amapá debatem a fronteira
Por Cleber Barbosa
Para a Revista Diário

O novo chanceler do Brasil, ministro José Serra, abriu espaço na agenda diplomática do país para incluir o Amapá. Tem a ver com a demora para a inauguração da Ponte Binacional sobre o Rio Oiapoque – que está pronta a mais de cinco anos. O bom é que isso acontece exatamente quando o governo interino do Brasil se propõe a passar a limpo as demandas reprimidas da agenda nacional, desde a eclosão dos escândalos políticos que desviaram o foco da gestão Dilma Rousseff.  Serra recebeu uma delegação de autoridades do Amapá, chefiada pelo governador Waldez Góes.
O encontro aconteceu no Palácio do Itamaraty e, na verdade, era uma comitiva suprapartidária e interinstitucional. Faziam parte do grupo os senadores João Capiberibe, Randolfe Rodrigues e Davi Alcolumbre; e o deputado federal Roberto Góes entre outras lideranças e técnicos. “Tratamos sobre a aguardada inauguração da ponte sobre o Rio Oiapoque, que será a principal ligação rodoviária entre o Brasil e a Guiana Francesa”, declarou Serra. Concluída em 2011, a ponte Binacional precisa ainda de um pátio de fronteira e de um corpo de funcionários da Receita Federal para entrar em operação.
Uma ponderação feita por José Serra tem a ver com reciprocidade, o que agradou os representantes do Amapá. “Discutimos também a questão da assimetria de vistos de entrada entre o Brasil e a Guiana Francesa, que exige do brasileiro a autorização prévia para entrar no país. O Itamaraty está empenhado nas questões que envolvem o Amapá, que parecem ser pequenas para o Brasil como um todo, mas que são imensas tanto para a população amapaense como para a região Norte do país”, disse o chanceler brasileiro.

NÚMEROS
A obra da ponte em si, possui 378 metros de comprimento, foi iniciada em 2008, e que teve um custo de R$ 61 milhões. Porém, questões burocráticas, políticas e estruturais vêm atrapalhando a entrega total da obra, como acordos entre os dois governos e o término da construção da aduana.

Parlamento francês aprova acordo, com ponderações

A aprovação do último acordo entre Brasil e França para a abertura da ponte binacional de Oiapoque se deu com uma Assembleia Nacional quase vazia, em Paris. Mas os poucos que estavam lá criticaram e até ironizaram o fato da obra ter sido concluída a tanto tempo e jamais inaugurada. Os parlamentares, na verdade, demonstraram o quão estão preocupados com a incômoda presença de brasileiros clandestinos em território ultra-marino francês.
Para Gabriel Serville, relator da Comissão dos Assuntos Externos da França, ponte não facilitará imigração.
Gabriel Serville, relator da Comissão dos Assuntos Externos, explicou que agora nada impede a entrega da ponte, mas a inauguração não resolve outros problemas fronteiriços, como  as migrações, os vistos, o ouro ilegal e saque dos recursos da pesca. Ele sugere um reforço na chamada cooperação regional.
Deputado Thierry Mariani, diz  que brasileiros clandestinos não usarão a ponte: “Basta tomar uma canoa!”
O vice dessa comissão, deputado Thierry Mariani, fala que o medo de aumentar a imigração ilegal, não se justifica e pondera: “Basta tomar uma canoa!”, diz, acrescentando ainda: “Se queremos desencorajar a imigração ilegal, devemos permitir a migração normal”, disse o político francês.
Apesar do sinal verde da Assembleia Nacional e do presidente François Hollande, a ponte binacional sobre o Rio Oiapoque ainda renderá polêmica no Parlamento Francês. Os deputados Favennec e Carpentier (RRDP) chamam de uma situação “ridícula” o fato da ponte estar pronta a mais de cinco anos, jamais ter tido o tráfego oficialmente liberado e já precisar de reparos na estrutura.
O projeto de lei para aprovar os dois acordos assinados em 2014 pela França e Brasil sobre transportes rodoviários profissionais de passageiros e de mercadorias e regime especial transfronteiras aplicáveis ​​aos residentes de Saint George (Guiana Francesa) e Oiapoque acabou sendo aprovado e dias depois imediatamente sancionado pelo chefe do Executivo da França, o presidente Holande.


domingo, 7 de agosto de 2016

TURISMO | Curtir a vida em BALNEÁRIOS pelo Amapá!

Enquanto se discute a balneabilidade das águas do Rio Amazonas, no interior do estado, clubes e sítios fazem a festa dos veranistas.
As paisagens da natureza quase intocada do interior do Amapá são a aposta para empreendimentos que se multiplicam como opção de balneários para este verão.
Por Cleber Barbosa
Para a Revista Diário

O mês de julho é conhecido como o das férias escolares, estação do verão, alta temporada, enfim, o fato é que qualquer que seja a motivação, uma coisa se tem em comum: a vontade de tomar banho. São inúmeras as opções, a maioria de água doce, com exceção a praia do Goiabal, em Calçoene, a única acessível na Costa do Amapá. Mas na capital, Macapá, as famosas praias da Fazendinha e do Araxá continuam sendo o ‘point’, inclusive de programações oficiais como o Macapá Verão, só que autoridades ambientais fazem ressalvas em relação a qualidade das águas – principalmente pela pressão urbana, que produz índices de coliformes fecais preocupantes.
Então quem não viaja para fora do estado em julho tem como alternativas alguns cartões-postais do interior do Amapá, onde a balneabilidade é reconhecida e autorizada, como os balneários de Ferreira Gomes, Porto Grande, Pedra Branca do Amapari, Serra do Navio, entre outras localidades. Um desses exemplos é a chamada Região dos Lagos, onde está a comunidade do Aporema, que já possui instalações e pousadas rústicas, mas que atendem ao apelo de estar em contato com a exuberância da natureza quase intocada do estado.
Mas são os clubes e demais empreendimentos os que mais atendem a um verdadeiro nicho de mercado, com pousadas e chalés onde se dorme muito bem e se come melhor ainda. Em Serra do Navio, há ainda a Lagoa Azul, uma mina abandonada que por algum tempo se duvidava da qualidade de água, mas que já foi liberada e também é uma grande opção.

CURIOSIDADES
O verão chegou, junto com ele a oportunidade de aproveitar a estação do calor para tomar aquele gostoso banho no rio e nos balneários. Mas as pessoas precisam ficar atentas, afinal tomar um banho em águas com condições impróprias pode trazer muitas consequências desagradáveis e até graves. Os efeitos imediatos à saúde podem ser alergias, diarreias, vômitos, febres, dores de cabeça, infecções nas mucosas e nos olhos. Uma dica é ver as placas indicativas de banho liberado.


INFRAESTRUTURA | DNIT anuncia asfalto para estrada do JARI

Finalmente sai do papel o projeto de pavimentação do trecho sul da BR 156, que liga o Vale do Jari até Oiapoque. DNIT emite Ordem de Serviço e um consórcio de três empresas assumirá o primeiro lote da obra abrindo os primeiros 61 quilômetros ainda neste verão
O chamado trecho sul da BR 156 liga Macapá a Laranjal do Jari
Por Cleber Barbosa
Para a Revista Diário

A principal rodovia federal que corta o Amapá de Norte a Sul – a BR 156 – nem sempre é lembrada como nascendo no Jari, pois muita gente acha que ela liga Macapá a Oiapoque. A BR 210 é quem nasce na capital do estado e segue para a região Centro-Oeste, passando por Serra do Navio e continuando depois das divisas do Pará e Roraima, daí ser chamada historicamente de Perimetral Norte. Mas o fato é que o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte) acaba de emitir Ordem de Serviço para que um consórcio de três empresas possa apresentar o projeto executivo e iniciar a pavimentação do primeiro lote da obra – de 61,1 quilômetros.
O superintendente do DNIT no Amapá, Fábio Vilarinho, diz que esse primeiro lote vai do Km 21 (bifurcação com a BR 210) e vai até a comunidade do Vila Nova. “Os demais lotes serão licitados ainda este ano, para serem iniciados possivelmente no próximo ano”, diz o executivo, que lembra ser essa obra objeto de um convênio da União com o Estado, através do próprio DNIT e a Setrap (Secretaria Estadual dos Transportes). Pela parceria entre os entes, o Governo Federal faz o aporte dos recursos e o Amapá entra com a contratação das empresas e executa a fiscalização das obras.
Vilarinho lembra ainda que o dinheiro para o início da obra já está na conta do GEA desde janeiro de 2014, no valor de R$ 34,5 milhões. O anteprojeto foi feito pelo próprio DNIT e a obra tem um custo estimado em R$ 140 milhões.

NORTE
Ainda segundo o DNIT, o último trecho que falta ser pavimentado no trecho Norte da BR 156, entre Calçoene e Oiapoque, também está na prancheta dos projetos a serem executados neste verão. Serão licitados os dois lotes restantes, num total de 107 quilômetros. A contratação será direta pelo órgão, que avocou para si a administração da obra, portanto não é objeto de convênio com o GEA/Setrap.

Para acabar com o registro de atoleiros
A despedida da estação das chuvas deste ano ainda produz imagens como essa da foto, de atoleiros em alguns trechos da BR 156, considerada a mais antiga rodovia federal em construção no país. A bem da verdade, essa situação tem sido minimizada pela mobilização de empresas responsáveis por fazer a manutenção da via, mas toda vez que chove forte, a cena se repete.


Notas da coluna ARGUMENTOS, sábado, 06 de agosto de 2016.

Começou

Com um nervosismo além da conta dos globais, foi aberta oficialmente ontem a Olimpíada Rio 2016, com uma belíssima cerimônia oficial. Vazou no ar o Bonner brincando com a colega, teve fio curto do Uchôa e até um pedido para Glória Maria abotoar a blusa.

Vitrine

Mas foi, sem dúvida, uma demonstração do quanto o nosso país é capaz de produzir coisas boas, talento, arte, cultura, cores e muita, muita emoção. Um bilhão de expectadores pelo mundo tendo um banho de Brasil.

Discrição

Uma nota política em meio à cerimônia de abertura. Foi a recomendação da Presidência da República para que o cerimonial não anunciasse a presença de Michel Temer. Para não dar margem a vaias.

Torcidas

A expectativa agora é por um bom rendimento do chamado Time Brasil, formado por atletas de ponta que se credenciaram a participar das competições. A motivação adicional é por estarem jogando em casa.

Torcida

A expectativa agora é por um bom rendimento do chamado Time Brasil, formado por atletas de ponta que se credenciaram a participar das competições. A motivação adicional é por estarem jogando em casa.

Mensagem

Uma sacada corajosa dos organizadores brasileiros da cerimônia foi desnudar fatos que hoje envergonham a humanidade, como os quatrocentos anos de escravidão no Brasil Colônia. Crítica social.

Ao mar
A próxima edição do Juizado Itinerante Fluvial, terá a participação do MP, AL, GEA, TJAP, PMM e PMS para atender povos ribeirinhos com uma gama de atendimentos sociais e jurídicos. A estrela da estrutura será esta embarcação, o Navio Auxiliar Pará, da Marinha do Brasil.

Política

Mudanças no Parlamento Estadual, com a chegada de Jaci Amanajás, do PV, à Presidência da Casa. “Com quase seis anos de atraso retomo esse projeto de dirigir o Legislativo”, disse ele aos jornalistas. É que em 2011 tinha a maioria para se eleger, porém, uma brecha no regimento mudou o jogo.

Pleito

Este fim de semana marca o início do corpo-a-corpo dos candidatos a prefeito com o eleitor, após a realização das convenções partidárias que terminaram Depois eles estarão na telinha da tv com a propaganda eleitoral. A justiça eleitoral quer uma campanha bem mais limpa este ano, literalmente. Nada de panfletos.

Virtual

 Faculdade Estácio se alinha ao contexto atual e se alinha ao que o resto do mundo já realiza: o uso das tecnologias digitais de informação e comunicação como ferramenta de ensino. As duas faculdades do Grupo, aqui estão implantando, neste semestre, as disciplinas online.


INDÚSTRIA | Zona Franca Verde pronta para atrair empresas

Uma área de 70 hectares vai estabelecer um novo distrito industrial entre Macapá e Santana para receber até 60 empresas e criar um polo de empreendimentos movidos por incentivos fiscais da ZFV
O projeto de abertura da Zona Franca Verde passa pela ocupação deste espaço que fica às margens do Rio Matapi.

Cleber Barbosa
Para a Revista Diário

A Área de Livre Comércio de Macapá e Santana (ALCMS) é ainda hoje a maior ferramenta de atração de capital para o setor do comércio do estado, mas com a criação da Zona Franca Verde (ZFV), o Amapá poderá ter um incremento do setor da indústria. E o dever de casa está sendo feito, segundo anunciam as autoridades do setor, que reservam uma área de 70 hectares entre os municípios de Macapá e Santana, para se estabelecer ali um novo Distrito Industrial, um polo com capacidade para reunir até 60 empresas que processem matéria prima da floresta, afinal essa é a condição para que os incentivos fiscais sejam concedidos e o Amapá não concorra diretamente com a tradicional Zona Franca de Manaus.
Segundo o economista Joselito Abrantes, vice-presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico do Amapá (ADEAP), compete ao Governo do Estado criar um ambiente favorável e fazer a interlocução com o setor produtivo, com o mercado.

REGRAS
Economista Joselito Abrantes, da Agência de Desenvolvimento Econômico do Amapá
A Zona Franca Verde, também conhecida pela sigla ZFV, foi criada pela Lei nº 11.898/2009 e regulamentada pelo Decreto Presidencial nº 8.597/2015. “Pode se constituir em um importantíssimo instrumento de alavancagem do desenvolvimento econômico do Estado do Amapá”, analisa Abrantes. Trata-se, na verdade, de um regime de isenção do IPI nas saídas locais ou nacionais de produtos fabricados na Área de Livre Comércio de Macapá e Santana com matérias-primas predominantemente regionais, excluídos  os minérios, classificados no capítulo 26 da TIPI – Tabela de Incidência do IPI. A pedido da Revista Diário, ele e técnicos da Agência Amapá realizaram uma análise das providências e do protocolo a ser seguido para sua efetivação.

Estado já tem 18 pedidos de inscrição de empresas na ZFV
José Molinos, diretor de atração de investimentos da Agência Amapá
A primeira solicitação de credenciamento na Zona Franca Verde (ZFV) de Macapá e Santana aconteceu uma semana após a definição e aprovação dos critérios que vão gerar incentivos fiscais na utilização matéria-prima regional em produção industrial. Já são 18 (dezoito) as empresas na fila para ter a entrada na ZFV oficializada, segundo José Molinos, diretor de atração de investimentos da Agência Amapá. “O papel do estado é dialogar com o mercado, pois o capital é dinâmico e a burocracia é o maior entrave”, ensina.
Para o diretor-administrativo da fábrica de sorvete “QSabor”, José Carlos Ferreira, a ZFV abre uma porta para as empresas amapaenses, possibilitando que busquem novas oportunidades até mesmo no mercado exterior.
Outras empresas e cooperativas já instaladas no Amapá, além de novos investidores que se enquadram na ZFV, também realizarão o credenciamento para que nos próximos meses já sejam beneficiadas pelos incentivos.
Uma indústria de ração que deve iniciar suas atividades em breve no Amapá, também será uma das beneficiadas com a nova regulamentação. O empreendimento, que faz parte de um grupo paulista, chegou ao Estado atraído, principalmente, pelo posicionamento geográfico do Amapá. A empresa recebeu do Governo do Estado um termo de concessão de área para se instalar no Parque Industrial de Macapá e Santana. “Quando desenvolvi esse projeto e fiz todas as pesquisas para implantar a fábrica no Estado, eu não conhecia a ZFV. Com a proposta, teremos a oportunidade de oferecer um produto de qualidade, com custo mais baixo”, afirma o proprietário da fábrica, Thiago Versoza.
O investimento da empresa será de R$ 67 milhões e a fábrica produzirá 9,6 mil toneladas de ração por mês, o equivalente a 400 carretas. A produção de ração também deverá estimular outras atividades, como a criação de frangos. “Aqui é um ponto estratégico. Nossa proposta é, além do mercado externo, atender também o mercado local, gerando novas oportunidades para os criadores”, destacou.
O perfil de outras empresas que também apresentaram projetos de investimentos que estão em tramitação na Agência Amapá para implantação no Distrito Industrial do Porto Céu, que abrigará empreendimentos da ZFV são do segmento de agroindústria de açaí (Tribo Açai); polpas de frutas (Amazon polpas e Buriti & Cia); agroindústria de castanha do brasil (empório amazônico); indústria de fitoterápicos e cosméticos (Biofar); fabricação de produtos saneantes (F. da Silva e Silva); Fabricação de sorvetes (Queijo minas); indústria de móveis de madeira (Ambieng) e fábrica de esponja (GAP) além de outras fábrica de ração (Nutrativo).

SETOR AGRÍCOLA
Para receber os investidores da ZFV o GEA está preparando esta área em um novo polo industrial
Cinquenta cooperativistas do Estado, que reúne quase 6 mil trabalhadores das áreas do setor agrícola e que exploram produtos do extrativismo para alimentos, cosméticos e outras aplicações, também deverão ser beneficiadas com a Zona Franca Verde. O setor de produção (oleiro, cerâmico e madeira) também está incluso.
De acordo com o presidente do Sistema Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) Amapá, Gilcimar Barros Pureza, as cooperativas já estão se adequando para se enquadrarem à ZFV.
Para Pureza, a Zona Franca Verde traz a oportunidade que o Amapá precisava. Ele acredita que, com esse conjunto de incentivos e facilidades, tudo que sempre foi potencial deverá ser transformado em negócio. “Esses produtos não estarão mais apenas na mesa do amapaense. Em um ano e meio teremos a possibilidade de fazer essas agroindústrias funcionarem, enquadradas na regulamentação da ZFV”, explica.
Segundo o presidente da OCB, o Amapá já possui vantagem logística, pela posição geográfica, mas ainda precisava de vantagens competitivas para produzir. “A aquisição de tecnologia é cara, mas com incentivos fiscais vamos ganhar fôlego e condições para empreendermos. Temos muita gente no Amapá com vontade e capacidade de fazer negócio”, destacou.

POSTURA
A área que irá abrigar polo industrial já foi usada por uma mineradora em Santana.
O presidente da Agência Amapá, Eliezir Viterbino, disse que a melhor forma de recepcionar qualquer projeto é com incentivos locais. “A partir de agora estamos recadastrando e procurando os empreendimentos locais que possam ser inseridos na ZFV. Ao mesmo tempo, estamos recepcionando as empresas de fora e também buscando incentivos externos. Precisamos de recursos para investir em novos pólos industriais,  de modo a urbanizá-los industrialmente”, comentou.
O governador Waldez Góes destacou que esse é um momento de pactuar novos desafios. “O Amapá sempre foi um dos grandes exportadores de matéria-prima. Esse novo modelo vai nos permitir verticalizar, agregar valor, gerar emprego e renda”, adiantou.
  Para garantir o pleno desenvolvimento e funcionamento das indústrias da Zona Franca Verde, o Governo do Estado do Amapá investirá em energia elétrica, comunicação, malha rodoviária, além da infraestrutura portuária.
 Em relação aos critérios acerca da metodologia da predominância da matéria prima para fins de enquadramento das empresas com o perfil da ZFV, foi regulamentado pelo Conselho Administrativo da Suframa uma metodologia flexível e trâmite fácil. A primeira determinação, diz respeito a 50% da matéria prima regional na composição total do produto final.

* Colaborou: Leidiane Lamarão 


Notas da coluna ARGUMENTOS, quinta-feira, dia 04 de agosto de 2016.

Pé direito

No dia de estreia da seleção de futebol feminino, ontem, foi bem legal ver várias mulheres em Macapá vestindo a camiseta amarela do Brasil e torcer por elas. Foi um belo começo, com vitória folgada sobre a China, por três a zero. Vamos ver amanhã a abertura.

Papa

As olimpíadas, que inclusive tem o condão de interromper as guerras – pelo menos é a trégua sugerida – foram objeto de uma mensagem especial do chefe da igreja católica mundial. Francisco pediu unidade.

Caos

Moradores dos bairros Infraero 2 e Parque dos Buritis, na zona norte de Macapá, tiveram uma madrugada infernal ontem, com apagões que duraram a noite e amanhecer. Houve protestos e até a PM acionada.

Medo

Na verdade a falta de energia naquelas bandas vem se repetindo a vários dias, segundo relata nosso leitor Odenilsom Marques. Ele conta que nos protestos de ontem moradores temeram pelo “pior”.

Se colar...

Se há quem reclame do excesso de feriados no país, veja esse diálogo ontem, na fila do banco: – Na Copa era feriado em dia de jogo do Brasil! E o outro: – Bem que podiam fazer isso agora, na Olimpíada! (Todo dia?)

Dupla
O empresário Adiomar Veronese, que é filiado ao PROS, foi confirmado ontem o vice na chapa encabeçada pelo ex senador Gilvam, na disputa pela Prefeitura de Macapá. Na foto, registro da convenção do partido, com o ex prefeito Roberto Góes e representantes da família Favacho à mesa.

Estilo

Vai ter muita emoção na Rio 2016. Aliás, por falar nisso, na primeira transmissão oficial dos jogos, ontem, o narrador Cleber Machado deixou de pegar carona no hino nacional – como faria o Galvão – optando por passar curiosidades e estatísticas olímpicas. Não é pieguice, mas era entrar no ‘espírito’.

Turismo

Tem novidade no Portal do Sistema Diário. A página oficial multimídia (jornal, rádio, tv e revista) agora está disponível o Canal Turismo, com motivos de sobra para os turistas – externos e internos – conhecerem e valorizarem ainda mais o Amapá como destino turístico. O endereço é www.diariodoamapa.com.br.

Luto

A Secretaria de Estado da Comunicação (Secom) e a Rádio Difusora de Macapá (RDM), em nota, lamentam profundamente a perda prematura do colega Valdemir Tavares, 47 anos, ocorrido na noite de terça-feira, 2, em Barretos, São Paulo. Ele era um profissional exemplar.


ALBERTO TOSTES | Pesquisador dá entrevista no AR (literalmente)

Um novo quadro do programa Conexão Brasília, da Diário FM, ouve personalidades locais dentro de aviões, quando falam de métodos para passar o tempo e também de temas importantes e atuais
O pesquisador Alberto Tostes e o jornalista amapaense Cleber Barbosa na cabine de um avião

Cleber Barbosa
Para a Revista Diário

A distância de Macapá das grandes cidades do país, faz muitas autoridades, personalidades e boas fontes de informações para a imprensa levarem horas no interior dos aviões. Para passar o tempo, vale de tudo, até dormir. Mas o pesquisador Alberto Tostes, da Universidade Federal do Amapá, costuma aproveitar para corrigir provas e até dissertações de seus alunos do mestrado. E foi entre um documento e outro que ele falou ao jornalista Cleber Barbosa, que gravou a entrevista para um novo quadro de seu programa de rádio. A conversa foi séria e um resumo a Revista Diário publica a seguir.

Revista Diário – O senhor além de arquiteto e urbanista fez pós-doutorado em Estudos Urbanos, tendo prestado um trabalho relevante para alguns municípios aprovarem seus planos diretores então pode dizer o porquê de tantos problemas nas administrações de prefeituras e o fato de prefeitos deixarem a gestão com tantos problemas com os organismos de controle e a justiça?
Alberto Tostes – Para se ter uma ideia, na última década, chegando a quase quinze anos, quando você vai levantar os recursos que são aplicados pelas prefeituras, além de serem aplicados mal, são mal gastos e os municípios acabam perdendo com esse propósito. Essa investigação aponta para uma perda volumosa de recursos, seja por licitações mal feitas, fiscalizações de obras feitas de forma inadequada, quebra de encargos em relação a esses materiais, enfim, diversas situações que comprometem a boa qualidade da aplicação dos recursos.

Diário – Dê um exemplo concreto professor?
Alberto – Um município como Amapá, por exemplo, ficou até dez anos sem receber recursos federais, o que mostra a gravidade de todo esse processo. Um município como Oiapoque, na fronteira, aonde você tem uma gama de recursos em várias fontes para ser destinados através de projetos, tem grande dificuldade de materialização de todo esse processo. Minha pesquisa apresentada em nosso estágio de pós-doutorado foi publicada e está disponível também na internet e mostra um pouco desse universo dessa dificuldade institucional.

Diário – Bem apropriado se discutir essas soluções da municipalidade, exatamente agora que vivemos em um ano de eleições para as prefeituras, não é mesmo professor?
Alberto – Sim, é preciso estar atento para essa preocupação com o planejamento e a gestão para que não comprometa o município em relação a obter financiamentos em relação às diversas instâncias. Nosso maior problema hoje está relacionado às questões estruturais das administrações municipais. A sociedade civil organizada e todos os seus setores devem observar tudo isso para que o recurso público, por ele ser mal gasto, desviado, acaba implicando na crise que o Brasil atravessa hoje em dia.

Diário – Nesse levantamento que o senhor fez foi possível levantar o total de recursos federais que o Amapá perdeu através dessas administrações de prefeituras?
Alberto – Se nós ampliarmos isso para um universo de quinze anos, a perspectiva de R$ 900 milhões até R$ 1 bilhão de reais. Ora, se você considerar que nós estamos num estado pobre, que depende exclusivamente de transferência de recursos federais, seja do Fundo de Participação dos Estados, dos Municípios e de verbas extra orçamentárias, isso é muito grave e mostra que o problema da falta de planejamento e gestão não é de agora, já atravessa mais de uma década. E o pior disso tudo é nós não termos a clareza de que isso deva ser ajustado e corrigido para o futuro.

Diário – Nas campanhas os candidatos e suas equipes se debruçam nos problemas urbanos, nas melhores soluções, mas depois as administrações acabam se afastando do planejamento macro e se perdem em demandas pontuais. Onde estaria o maior gargalo professor?
Alberto – Uma das grandes dificuldades que nós já mapeamos cientificamente é o fato de que as políticas são voltadas de forma fragmentada. A política habitacional, por exemplo, dissociada da questão ambiental, de mobilidade, de acessibilidade, da própria essência daqueles municípios que têm plano diretor, dos seus projetos setoriais, enfim, quando você vai olhar o conjunto das políticas públicas observa que elas são desintegradoras.

Diário – Fala-se também das dificuldades das prefeituras reunirem meios necessários a garantir essas respostas, como um corpo técnico. Isso é fato, não é?
Alberto – Sim, como também o pouco investimento tecnológico, que as prefeituras também não dispõem e com isso se repetem erros históricos em relação a uma série de fatores. Nós temos dezesseis municípios e apenas três têm planos diretores e desses três pouco dos planos são aplicados. Os planos diretores vão resolver? Não, mas eles são a base de um instrumento de política pública integrado com as demais. Enquanto isso não ocorrer vamos pagar o preço dessas fraturas.

Diário – Como assim professor?
Alberto – Em todo o Brasil tem ocorrido um fator que o Ministério Público é quem vem assumindo um protagonismo de ter que ficar à frente de situações que é o poder público o responsável por isso.

Diário – Com tantos problemas o que dizer ao eleitor, ao cidadão que tem que resolver seus problemas pessoais e ainda assim é instado a ir às urnas escolher seus representantes e os gestores municipais. O que dizer a ele professor?
Alberto – Olha, o Brasil tem passado nesses últimos tempos por um processo de revitalização das questões de natureza ética e moral, no sentido de fazer valer que a sociedade também tem que ser cumpridora da sua responsabilidades. E uma das questões importantes para isso é o empoderamento social. Hoje você faz uma opção por um candidato, vota nele, mais ao longo de um período de mandato não procura saber que projetos essa pessoa elaborou, se contribuiu, se participou, então você não se apropria do trajeto da construção daquele candidato em prol do desenvolvimento da sociedade. Hoje é preciso ver quem é o candidato, onde ele está agregado, qual é a história dele, o que ele produziu, quais são os efeitos que isso resultou para a sociedade, nós precisamos acabar com essa coisa do é dando que se recebe. Dessa coisa dos grupos que colocam os níveis de favorecimento.

Diário – Isso é um problema…
Alberto – Veja só, quem vai te dar alguma coisa vai te cobrar depois. E vai te cobrar da pior forma possível e isso tem preço para a sociedade. E o preço é exatamente mandatos esdrúxulos, mandatos sem planejamento, sem gestão, sem o comprometimento. Mas pior do que os representantes políticos, é a sociedade que deixa de fazer a sua parte, através das associações, das organizações e isso contribui para todos os outros fatores adversos dos problemas que nós vivenciamos. Ao eleitor, a mensagem de que ele também precisa ser um cidadão responsável, uma pessoa comprometida com o conjunto da sociedade. Nós temos uma péssima mania de achar que são só os políticos os culpados, mas os políticos foram referendados pela sociedade, então se nós não exercermos essa prerrogativa de estar à frente e assumir esse protagonismo evidentemente que os problemas só terão a aumentar.

Diário – Para fechar professor, dê uma dica de leitura para nossa comunidade.
Alberto – Eu posso indicar até aos nossos leitores um livro muito importante que até é bem apropriado para esse momento, já que nos próximos meses teremos uma eleição, com a campanha, a fala dos candidatos, enfim, que é o livro de um autor espanhol chamado Fernando Savater, cujo título é “A importância da escolha”. Olha, nós todos temos o direito de escolha e pagamos um preço se nós escolhermos errado, então esse livro de alguma maneira te mostra os caminhos pelos quais você é responsável pela sua escolha.

Perfil…

O professor José Alberto Tostes possui graduação em Arquitetura pela Universidade Federal do Pará (1988), mestrado em Historia e Teoria da Arquitetura pelo Instituto Superior de Artes (2000) e doutorado em Doutorado em Historia e Teoria da Arquitetura pelo Instituto Superior de Artes (2003). Atualmente é pesquisador do Instituto Superior de Artes e professor Associado II da Universidade Federal do Amapá. Teve o livro com sua dissertação de pós-doutorado publicado pela Universidade de Coimbra (Portugal) com o título “Transformações Urbanas de pequenas cidades na faixa de fronteira setentrional”. Também fez Estágio de Pós doutorado em Arquitetura pela Universidade do Porto nos anos de 2011 e 2012.