Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura e política.

PUBLICIDADE

terça-feira, 21 de março de 2017

Notas da coluna ARGUMENTOS, domingo e segunda-feira, 19 e 20 de março

Finalmente
O trânsito está finalmente liberado sobre a ponte binacional sobre o rio Oiapoque, na divisa do Brasil com a Guiana Francesa. Inicialmente apenas para carros de passeio, faltando normatizar o transporte de cargas e passageiros por essa histórica ligação rodoviária.

História
Foi um evento cheio de simbolismos, e forte apelo histórico. As delegações de cada país caminharam pela ponte até um encontro no meio, exatamente na divisão geopolítica entre Brasil e Guiana Francesa.

Diplomacia
Pouco depois uma banda de música de uma escola de Oiapoque executou os hinos nacionais do Brasil e da França, seguido do descerramento da fita inaugural e os cumprimentos entre as duas delegações.

‘Gentleman’
Aliás, sobre os hinos, vale aqui um registro bem curioso. Trata-se da iniciativa do senador Randolfe (Rede-AP) em cantar a plenos pulmões a famosa ‘Marselhesa’, que é o hino nacional da França.

'Fair play’
Os franceses, a título de cortesia, franquearam que o Hino do Brasil fosse executado primeiro. Já nos discursos, coube a eles falar por último, em uma reciprocidade que deverá nortear as relações por lá.

À francesa
A ministra do meio ambiente e transporte da França, Ségolène Royal (foto), retornou a Paris na véspera da inauguração da ponte de Oiapoque, embora sua agenda oficial divulgada dias antes confirmasse sua presença. Segundo a coluna apurou, o motivo foi a ausência de um ministro brasileiro.

Visual
Diferente de outras inaugurações, a ponte entregue ontem não parecia algo novinho em folha. Ao contrário, já mostra necessitar de serviços de limpeza e manutenção. O concreto tem limo em vários pontos e a pintura da sinalização está bem apagada. De fato, o cronograma de entrega sofreu (muito) atraso.

Trocas
Martin Jaeger, representante do governo francês, roubou a cena, ao discursar com forte carga de espiritualidade e bom humor (como que homenageando os brasileiros). Disse que a aproximação entre Amapá e Guiana Francesa possibilita que compartilhem a calabresa brasileira com o pão e o perfume francês.

Grandeza
Outro marco da festa de ontem foi a decisão do governador Waldez em franquear seu espaço do pronunciamento de encerramento para os parlamentares brasileiros. Ele cedeu parte de seu tempo, possibilitando a fala de Randolfe, Capiberibe, Davi, Cabuçu e da prefeita Orlanda.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!