Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura e política.

PUBLICIDADE

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Beadell conclui compra de área próxima à mina de ouro tucano, em Serra do Navio

A Beadell Resources disse que fechou um acordo com a Mineração Vale dos Reis (MVR) para consolidar as áreas de exploração do empreendimento de ouro Tucano, no Amapá.



A Beadell Resources disse no dia 6 que fechou um acordo vinculativo com a Mineração Vale dos Reis (MVR) para consolidar as áreas de exploração do empreendimento de ouro Tucano, no Amapá. A mineradora australiana vai adquirir o capital da MVR, uma companhia brasileira que detém 30% da Joint Venture MVR, da qual a Beadell possui 70%.

A Beadell vai pagar inicialmente US$ 300 mil, na assinatura, e mais três pagamentos de US$ 500 mil ao longo de 12 meses a partir da data da assinatura. "O valor total em dinheiro é de US$ 1,8 milhão e royalties de 0,75% [do tipo net smelter royalty (NSR)] também poderão ser pagos em ouro ou outros metais preciosos que forem produzidos em nas áreas da antiga JV", diz o comunicado.

A Mineração Vale dos Reis pertence, segundo dados da Receita Federal, a Antônio Valério da Silva, que é também gerente da Horizonte Minerals no Brasil, e a Nicholas Robert Winer, ex-diretor da Horizonte Minerals.

O banco de dados do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) mostra que a MVR tem 16 direitos minerários, sendo que cinco estão em disponibilidade. Entre as autorizações e requerimentos de pesquisa constam três para titânio e ouro em Pedra Branca do Amapari e Serra do Navio, e para ouro em Marabá. Além de direitos de ouro, cromo e molibdênio no Pará.

Em nota, a mineradora diz que as concessões e autorizações atualmente detidas integralmente pela Beadell, incluindo aquelas que abrangem a mina de Tucano, não estão sujeitas a esses royalties.

"A transação MVR está sujeita a diligência e auditorias usuais, bem como aprovações, e espera-se que seja concluída até 30 de junho deste de 2017. Os direitos da JV cobrem 576 quilômetros quadrados em terrenos altamente promissores em torno da mina de Tucano", diz a nota.

Essas áreas da JV incluem extensões diretas das camadas mineralizadas de Tucano em Urucum Leste, onde mineralizações de ouro já foram descobertas. Esses direitos "incluem vários alvos de ouro excepcionais, em estágio inicial, dentro de 20 quilômetros da planta de Tucano, para as quais há planos de sondagem ao longo de 2017", diz a mineradora em nota.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!