Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura e política.

PUBLICIDADE

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Governo leva ajuda humanitária às famílias atingidas por erosão no Bailique

Foto: Maksuel Martins/Secom/GEA
Nas comunidades, foram entregues colchões, cestas básicas e kits bebês

O grupo de trabalho formado por órgãos do Governo do Estado do Amapá acompanhou no sábado, 8, a entrega dos kits de ajuda humanitária às famílias atingidas pelo fenômeno terras caídas no arquipélago do Bailique, região pertencente ao município de Macapá. A distribuição dos kits foi feita pela equipe da Prefeitura da capital.

Estiveram presentes representantes da Defesa Civil Estadual, Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa) e Secretaria de Estado de Inclusão e Mobilização Social (Sims). A entrega destes donativos é resultado das articulações realizadas pelo poder público estadual e municipal junto ao Ministério da Integração Nacional após ter sido decretada a situação de emergência na região. A ação humanitária também ocorreu no dia 26 de março no município de Calçoene e ajudou as famílias afetadas pelas enchentes que afetam esta região, no norte do Amapá.

No Bailique, a entrega dos kits ocorreu nas comunidades de Itamatatuba, São Pedro do Curuá, Vila Progresso, Macedônia, Ponta da Esperança e Franco Grande. Essas localidades são as mais atingidas pela erosão causada pelo fenômeno, segundo levantamento feito pelo Iepa.

São 275 cestas básicas, 400 colchões e 105 kits bebês que foram distribuídos. A escolha das famílias foi feita com base no levantamento social realizado pela Sims e Secretaria Municipal de Assistência Social (Semast).

A família do pescador Zaqueu Guedes foi uma das beneficiadas. Ele vive com a esposa e os cinco filhos na comunidade de Itamatatuba, em uma área de risco. “A gente estava muito preocupado com essa situação porque o povo estava abandonado aqui. Quem estava sofrendo com a erosão realmente precisava dessa ajuda”, contou.

Maria Raimunda Santos também recebeu uma cesta básica das equipes em Itamatatuba. A dona de casa disse que apoia a união dos poderes para ajudar a região. “Todo mundo tem que se unir para ajudar a gente aqui no Bailique. Há mais de 20 anos morando aqui, nunca vi a situação chegar a esse ponto. Espero que o trabalho que está sendo feito pelos poderes melhore a situação da nossa gente”, declarou.

O representante da Defesa Civil Estadual, coronel Janary Picanço, destacou o esforço do Governo Estado do Amapá para prestar a assistência ao arquipélago. Em janeiro, uma grande ação dos órgãos estaduais nas áreas da educação, meio ambiente, assistência social e infraestrutura subsidiou a Prefeitura de Macapá no repasse de informações.

“Esses dados foram essenciais para que o Ministério da Integração Nacional acatasse o decreto de situação de emergência na região. Estamos continuando com o monitoramento das áreas, dando suportes nas ações e elaborando estratégias para ajudar a população do arquipélago”, frisou.

O representante da Defesa Civil Municipal, Ubiranildo Macedo, também destacou o apoio do governo na articulação e no apoio à região, ressaltando que agora serão realizadas ações para melhorar as condições das áreas afetadas.

“Nós, enquanto município, vamos trabalhar na elaboração de projetos para a construção de novas passarelas. O Estado já tem trabalhado na questão da manutenção do espaço público, abastecimento de água e na questão da energia elétrica”, acrescentou.

Terras Caídas

A maré, impulsionada pela força do rio Amazonas, tem causado a aceleração da erosão normal das ilhas, caracterizando o fenômeno. As mudanças na foz do Araguari também são fatores que influenciaram diretamente na região do Arquipélago do Bailique, que é formado por cerca de 50 comunidades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!