Página do jornalista amapaense Cleber Barbosa, voltada a difundir notícias, pensamentos, reflexões e atualidades sobre turismo, comportamento, economia, cultura e política.

PUBLICIDADE

terça-feira, 16 de maio de 2017

Guiana Francesa dispensa visto para turistas em conexão de até 72 horas em Caiena

Aeroporto Internacional de Caiena, na Guiana Francesa
Um antigo desejo para turistas e agentes de viagem do Amapá acaba de ser atendido pelo Governo da França. Trata-se da dispensa do Visto [ou Visa] expedido por autoridade diplomática no Brasil para ingresso na Guiana Francesa, para casos de conexões com voos internacionais. Isso representa um maior incremento no chamado turismo regional, um incentivo a estrangeiros conhecerem não apenas um, mas vários destinos turísticos na Amazônia, América do Sul e Caribe.
A informação foi confirmada nesta terça-feira (16) pelo cônsul honorário da França em Macapá, Alain Kraïs, em entrevista ao Blog do Cleber Barbosa. O jornalista brasileiro confirmou também que para os casos de turistas que adquirirem um pacote de viagem com alguma agência da Guiana Francesa ou de correspondentes destas no Amapá, também terá a dispensa do visto, desde que o viajante apresente a passagem de ida e volta.
Cônsul da França em Macapá, Alain Kraïs, falando ao jornalista Cleber Barbosa
Para os demais casos, como viagens a trabalho ou mesmo visando morar na Guiana Francesa, ainda haverá a exigência do visto no passaporte dos brasileiros, agora no próprio Consulado da França em Macapá e não mais apenas na Embaixada da França, em Brasília.
Falando à reportagem, o cônsul francês disse que esta é uma medida já regulamentada pelo governo central e que representa uma abertura importante para a economia da região – como indutor do turismo. “Não devemos concorrer entre nós, ao contrário, o turista europeu que chegar ao Continente por Caiena será instado a também conhecer o Brasil, através de cidades como Macapá, Belém, Fortaleza, enfim, como também o estrangeiro em viagem ao Brasil pode ser sugestionado a conhecer a Guiana Francesa, o Suriname e os demais países do Caribe”, disse o diplomata.
Avião da francesa Air Caraïbes, que opera voo diário para Paris
Economia
Outra vantagem comparativa que essa liberalidade dos franceses irá proporcionar é a gigantesca economia de tempo – e dinheiro – em relação às viagens para Paris feitas a partir de aeroportos do Rio de Janeiro e São Paulo. “Hoje um turista do Norte do Brasil gasta quase 24 horas para chegar à Europa, pois atravessa o país todo até o Sul e de lá decola para cidades como Paris, com mais 12 horas até o destino”, diz a presidente da Abav-AP (Associação Brasileira de Agências de Viagem), empresária Pietrina Salgado.
Na Guiana Francesa são ofertados dois voos diários de Caiena a Paris, sendo um da Air France e outro da Air Caraïbes, às 18 horas e às 20 horas, respectivamente, com duração de apenas 8 horas e ao custo de 500 a 600 euros para o trecho de ida e volta.

A brasileira Azul opera um voo para Caiena, mas partindo de Belém
Seguro

O cônsul francês também esclareceu a respeito de publicações brasileiras dando conta da cobrança de até R$ 1,5 mil para a contratação de seguro para automóveis adentrarem na Guiana Francesa pela recém-aberta Ponte Binacional de Oiapoque. “Esse é o valor para um pacote de três meses. O valor para trinta dias é de 175 euros, o equivalente a R$ 400 (reais). Mas nós estamos trabalhando para reduzir mais este valor, comercializando o seguro aqui mesmo no Consulado e até ofertando para períodos menores, como de 15 dias, por exemplo”, disse Alain Kraïs.

Presidente da Associação Comercial do Amapá, empresário Altair Pereira
De Belém
Já o presidente da Associação Comercial e Industrial do Amapá (ACIA), empresário Altair Pereira, lembra que atualmente apenas uma companhia aérea brasileira opera voos regulares para Caiena, a Azul Linhas Aérea. “Mas operando a partir de Belém, portanto ainda não atende aos interesses do nosso estado, afinal passa por cima do Amapá diariamente, podendo parar aqui que é mais perto da capital da Guiana Francesa”, pondera.
Essa questão da Azul gerou no ano passado uma grande discussão sobre incentivos fiscais reclamados por ela para poder operar no Amapá o voo internacional para a Guiana Francesa. A companhia queria isenção do ICMS sobre o querosene de aviação, mas a própria ACIA descobriu que já existe legislação estadual versando sobre o tema, como incentivo para a aviação internacional a partir do Amapá.
Por enquanto, portanto, os turistas que desejarem aproveitar a abertura da Guiana Francesa em liberar a exigência de visto para fazer conexão com voos internacionais em Caiena terão, antes, que fazer uma escala em Belém – de onde parte o voo da brasileira Azul para Caiena. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua conosco!